O que origina a violência dos adolescentes?

O que origina a violência dos adolescentes?
Avaliar

Os adolescentes aprendem o que vivem, defendem as autoras Dorothy Nolte e Rachel Harris. Com o que vivem em casa, na escola, na rua, nos jogos de computador e playstation, com os amigos e com tudo o resto que os envolve e é passível de os moldar. Falar de violência na adolescência é falar de tudo isto e de muito mais.

Por si só a adolescência já é uma fase de desenvolvimento muito exigente, aliciante e de construção, do próprio, de uma família e de uma comunidade. Falar da adolescência é falar de uma década de desenvolvimento entre os 11 e 20 anos, não estando nem o seu início nem o seu fim claramente definidos. Este período inicia-se com a maturação sexual (puberdade), sendo um período pautado por outras grandes mudanças, quer ao nível do Sistema Nervoso Central (SNC), quer a nível físico, emocional, cognitivo, moral, familiar e social. Estar na adolescência é viver num limbo emocional, ora muito feliz ora muito zangado.

Para além das mudanças físicas e de aparência serem dramáticas, e consequentemente causarem estranheza pela velocidade a que ocorrem, a primazia do sistema límbico (sede das emoções e responsável pelo controlo emocional) neste período de desenvolvimento, contribui significativamente para uma vivência emocional desenfreada e irrefletida, podendo aqui enquadrar-se alguma da justificação para o aparecimento de comportamentos irrefletidos, desajustados e violentos.

Isto porque, a maturidade do SNC só se atinge por volta dos 25 anos, com a maturação do córtex pré-frontal (responsável pelo controlo dos impulsos e pela capacidade de antecipação de riscos e consequências).

Ou seja, a imaturidade biológica, o desfasamento entre o sistema Límbico (emoção) e o Córtex Pré-frontal (responsável pela razão e poder de antecipar consequências), justifica a impulsividade, a imaturidade emocional, a necessidade de satisfação imediata (desejo e busca de prazer), a atração pelo risco e a pouca capacidade de planeamento de decisão que carateriza a adolescência.

A oscilação emocional, com o predomínio de emoções muitas vezes contraditórias, fazem muitas vezes o adolescente verbalizar “não sei o que se passa comigo”, “não sei porque me sinto assim”.

Os jovens têm dificuldade nesta altura, em aprender o mundo de forma assertiva e racional, pelo predomínio do Sistema límbico e pela incompreensão das vivências emocionais. Se durante os primeiros anos de vida as conquistas da criança são andar e falar, durante a adolescência as conquistas são aprender a gerir o limbo emocional em que vivem, a reconstruir o mundo à sua volta e a integrar-se da forma mais satisfatória possível, num grupo de amigos.

Ao contrário do que muitos pais acham, o filho adolescente precisa de atenção, apoio, disponibilidade, conforto, carinho e elogios. O facto de se mostrarem num processo de emancipação, não significa que não precisem de orientação, de presença, questionamentos e regras, antes pelo contrário.

O mundo em torno do adolescente

Enquadrada a adolescência, há agora necessidade de enquadrar tudo que envolve o adolescente: a família, a escola, os amigos, as políticas sociais e o estado de país. Para se falar de violência na adolescência precisa-se de olhar para o adolescente que vive um corpo que acorda diferente todos os dias mas também sobre as mudanças familiares, culturais e sociais que vive. Como verá um adolescente o estado do seu país e tudo o que se passa à sua volta? A reflexão sobre a violência dos adolescentes também deveria partir daqui.

Vivemos num país que se apresenta todos os dias na televisão como endividado e triste diria, onde o desemprego, a descrença e a competição ganham níveis impensáveis, onde a noção de segurança e suporte são poucas.

Os jovens passam cada vez mais tempo na escola e em casa sozinhos, passando grande parte do tempo entregues a si próprios, às suas emoções, à busca de prazer e aos jogos de computador cada vez mais violentos, que incentivam alguns deles à violência, à morte e ao conflito. Grande parte das vezes, os pais desconhecem a seu propósito e que não são adequados para a sua idade dos seus filhos.

Desigualdades socias, famílias em risco, escolas cansadas, com níveis de stress tóxico cada vez maior, competição elevada e cada vez mais alicerçada e fundamentada pelo princípio de “há pouco e não dá para todos”, explicaram a violência que prevalece em casa, nas escolas e na rua.

Recentes investigações demonstram que a exposição a stress tóxico alteram a arquitetura definitiva do SNC e têm consequências negativas sobre o bem-estar (físico e psicológico) do jovem, influenciando significativamente o desenvolvimento e o comportamento da criança e do adolescente.

O papel da família na violência dos adolescentes

Não sabemos nesta altura o que contribui mais para o aumento da violência na adolescência, no entanto sabemos da investigação, que as ligações parentais positivas encontram-se intimamente associadas a baixos níveis de depressão, de ideação suicida e a níveis menores de violência, funcionando como fator de proteção.

Também sabemos que a presença de um adulto de referência (pais e professor, p.e.) com laços emocionais fortes com o adolescente oferece menos hipóteses de apresentar problemas como dependência com álcool e drogas, comportamentos agressivos e comportamentos sexuais de risco.

A adolescência traz ao cimo a qualidade relacional que a criança teve durante a infância com a família, nomeadamente com os pais. A forma como se desenvolve, como se relaciona consigo e com os outros, a quantidade de stress tóxico a que teve sujeito na dinâmica familiar terá um peso importantíssimo na forma como será vivida a adolescência.

Precisamos de um país mais responsável e promotor de segurança para os seus futuros adultos, precisamos de pais presentes e conscientes da vivência da adolescência, precisamos de escolas que promovam o “saber-ser” e “saber-fazer” sem esquecer da sua missão de escola e precisamos de uma cultura que promova a cooperação entre os jovens, o respeito, a integridade e a aceitação de todas as diferenças. “Se os adolescentes vivem com expectativas positivas, aprendem a ajudar a construir um mundo melhor” – Doroty Nolte e Rachel Harris.

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close