Mezinhas da avó: remédios naturais contra a gripe

Remédios naturais ou caseiros contra a gripe.

27

A gripe é uma patologia comum, geralmente inofensiva, mas que ainda assim exige alguns cuidados e atenção ao incómodo que provoca. São muitas as coisas que a medicina já nos dá contra a gripe. Mas desta vez decidimos recuperar do baú algumas “mezinhas” das nossas avós, para falarmos aqui de “remédios” caseiros.

Tosse, espirros, uma sensação de frio apesar de a temperatura do corpo ter subido, algum cansaço, dores de cabeça, congestão nasal, os olhos um pouco irritados e, olhando ao espelho, até um nariz vermelho, como se o nosso organismo quisesse dar algum sentido de humor aos sintomas. São vários e algo incómodos, os sintomas da gripe. É provável que já todos nós a tenhamos sentido no corpo. Tal como é provável que voltemos a senti-la. Apesar de tudo o mais comum é implicar apenas alguns dias de cuidados e repouso até a pessoa se sentir recomposta.

A gripe ocorre, mais frequentemente, nos meses de inverno, com o pico de contágio a surgir habitualmente entre Dezembro e Março. Trata-se de uma doença com uma taxa elevada de transmissão e em escolas, locais de trabalho e transportes públicos, lugares que concentram várias pessoas em pequenos espaços, o vírus da gripe costuma encontrar algumas “facilidades” de contágio.

Cuidados a ter

A prevenção é o primeiro trunfo contra a gripe. Para além do cuidado com a higiene e com o estilo de vida, temos a vacinação, considerada a medida preventiva mais eficaz. Todos os anos a Direcção-Geral de Saúde (DGS) aconselha o seu uso quando os períodos mais frios do ano se aproximam.

Mas quando a prevenção não chega e o vírus faz mesmo o seu indesejado percurso, os sintomas começam-se a sentir. É a altura certa para o tratamento. Em casos mais graves – de persistência de sintomas ou havendo alguma condição médica anterior que requeira particular cuidado – o acompanhamento especializado poderá ser essencial.

Apesar de tudo – e porque é disto que aqui falamos – pode haver alguns conhecimentos úteis do tempo dos nossos avós. A verdade é que a gripe já fora descrita pelo próprio Hipócrates, há mais de dois mil anos atrás. E muitas outras formas de tratamento existiram muito antes da medicina como hoje a conhecemos.

Uma gripe exige sempre algum cuidado a quem tenha sido atacado pelo vírus. O repouso, evitando o contacto próximo com outras pessoas, para impedir o contágio, é essencial, tal como o cuidado em não se agasalhar. Mas a isto podemos juntar alguns “remédios”, passe o termo, caseiros e naturais. Antes de falarmos em alguns casos práticos, uma lembrança: são vários os elementos que encontramos na natureza com capacidade para aliviar sintomas da gripe – mas não os confunda com automedicação nem julgue saber mais do que o que o médico lhe aconselha.

Quando os remédios caseiros ajudam

O xarope de cenoura é uma estratégia já antiga, com algumas variações na receita. Damos-lhe uma: cortar uma cenoura às rodelas, juntar algumas gotas de limão e uma colher de chá de mel. Há também quem junte um pouco de açúcar. A cenoura possui propriedades que contrariam alguns dos sintomas da gripe, como a tosse ou o congestionamento das vias respiratórias. Mas atenção: este xarope de cenoura deve ser tomado com precaução e é contraindicado para indivíduos com diabetes.

Em moldes semelhantes temos também o xarope de alho. 150ml de água juntamente com 200g de açúcar e deixar ferver até formar uma mistura homogénea. Descasca-se e espreme-se o alho e aos poucos vão-se acrescentando os 80g de alho (aproximadamente duas cabeças de alho). Deixa-se ferver por mais 10 minutos. Depois é deixar esfriar, coar e acondicionar num recipiente de vidro. Repetimos o alerta: atenção às quantidades de açúcar (e isto é um cuidado que se aconselha a toda e qualquer pessoa).

O alho é um alimento particularmente poderoso. Tem sido utilizado pelo Homem como recurso culinário e terapêutico desde a Antiguidade, tendo-se descoberto inclusive papiros egípcios que o incluíam em diversas receitas terapêuticas. Atualmente já sabemos mais das suas propriedades mas, como em tantas outras coisas, convém ser consumido mas nunca em excesso.

Assim como o alho também o gengibre tem sido estudado pelas suas capacidades de reforço do sistema imunitário. A estes podemos ainda acrescentar o uso de Tomilho, uma planta que pode ser utilizada em chás, funcionando como um xarope natural contra a tosse. E ainda o óleo essencial do eucalipto, outro nutriente que toma parte em algumas receitas, com uma simples colher de chá a poder ser útil no descongestionamento das vias respiratórias.

Outra receita bastante comum: um chá de limão com uma colher de mel é outra opção a ter em conta – à qual ainda pode juntar um pouco de cebola. Consumido morno, e sem necessidade de açúcar, trata-se de um que chá que pode acalmar uma garganta eventualmente irritada, possuindo ainda vitamina C, a qual confere ao organismo mais capacidade de defesa contra o ataque viral.

Acima de tudo convém não esquecer nunca que, em altura de gripe, é essencial manter o corpo bem hidratado. É importante ingerir líquidos, sejam infusões, sumos (em particular ricos em vitamina C) ou simplesmente água. O importante mesmo é não desidratar.

Estes, assim como outros remédios caseiros podem ser usados como complemento no tratamento de diversos sintomas da gripe. Caso os sintomas persistam convirá continuar atento. Uma gripe habitualmente não é um caso sério, passe a expressão. Mas é essencial evitar que degenere em algo mais grave.

Finalmente, embora em grupos de risco os cuidados tenham de ser redobrados, a verdade é que normalmente a gripe não é caso para alarme – o que não quer dizer que seja caso para desatar a fazer experiências caseiras. Lembre-se do essencial: líquidos, repouso e não desesperar. Vai ver que passado uns dias os sintomas desaparecem e aos poucos o nariz volta à sua cor natural.

Fontes:
– “Como escapar à gripe de forma natural”, in Revista Prevenir

– Direção-Geral da Saúde (DGS): Gripe; Orientação da DGS para a vacinação contra a gripe sazonal;

você pode gostar também Mais do autor

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies Mais informação

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies

Close