Como comunicar de forma eficaz

322

É através da comunicação que criamos laços com as outras pessoas, partilhamos informação, exprimimos as nossas preocupações e negociamos soluções para os nossos problemas.

E até por isso, grande parte dos nossos problemas relacionais são causados pela falta de comunicação ou dificuldades em exprimir o que sentimos.

Através de uma comunicação eficaz conseguimos expressar-nos de forma a que haja compreensão mútua e promova a afeição. Só assim é que as pessoas conseguem perceber o que pensamos e o que sentimos sem se sentirem ameaçadas ou atacadas.

A forma como comunicamos determina a direção da discussão, o quanto fomos eficazes a resolver o problema, como nos sentimos depois e o quão amigável a relação com o outro permanece ao longo do tempo.

Algumas pessoas utilizam estratégias de comunicação pobres sentindo-se afastadas das outras, ou então, que as suas relações são marcadas pela tensão e hostilidade. Outras, por sua vez, até conseguem sair-se bem na maior parte das vezes mas quando chega a hora de dizer o que sentem ou se confrontar alguém, sentem sérias dificuldades e mal estar.

Porque é que tens dificuldade em comunicar com os outros?

1- Evitas situações de conflito e/ou desaprovação

Uma boa comunicação envolve dizermos aquilo que pensamos, sentimos ou queremos de forma a que os outros compreendam as nossas necessidades e não se sintam ameaçados ou hostilizados quando nos expressamos.

Mas às vezes temos medo que a outra pessoa não aprove o nosso ponto de vista ou que causemos conflito, fazendo-nos sentir ansiosos e desconfortáveis quando chega a hora de comunicar o nosso ponto de vista.

O problema do evitamento é que leva à deterioração das relações, porque os nossos problemas não são discutidos nem resolvidos o que gera uma situação de tensão e de ressentimento.

Às vezes as pessoas evitam a possibilidade de conflito ao contar apenas uma parte da história que lhe convém, ou levantam um assunto mas não são capazes de dizer o que sentem, ou concordam em fazer algo que não querem realmente fazer ou simplesmente se afastam sem dar explicações.

2- Comunicas de forma hostil

A comunicação hostil provém da raiva, das estratégias de defesa e da falta de capacidades em comunicar.

Estas mensagens são expressas de forma hostil, descomprometida e ameaçadora. São também utilizadas para ganhar poder sobre os outros, conseguir aquilo que quer ou para ganhar um argumento.

Aquilo que dizemos e a forma como dizemos (tom de voz, expressão facial e linguagem corporal) são fatores importantes na forma como os outros percebem as nossas mensagens. Se formos hostis e as pessoas se sentirem ameaçadas elas poderão responder de forma defensiva ou agressiva, resultando numa escalada de tensão e na perda de razão de ambas as partes.

Há também aquelas pessoas que conseguem intimidar os outros levando-os a adotarem comportamentos submissos ou a evitar a comunicação.

Quando comunicamos de forma hostil, tentamos sacudir a “água do capote” e pomos a culpa e a responsabilidade nos outros. Geralmente dizemos TU só pensas em ti”, “TU nunca estás contente até conseguires o que queres”, “TU tens ciúmes de mim porque eu conheci uma pessoa e tu continuas sozinho”, “TU és muito esperto, sabes sempre de tudo” ou ” Se TU não mudas de atitude, eu vou deixar-te”. Cada uma destas frases corresponde, a situações de julgamento, generalização, deduzir algo como se estivesses a ler a mente do outro, sarcasmo e ameaça, respectivamente.

Como podes melhorar as tuas competências de comunicação?

Ser conciliador

Significa procurar soluções que agradem ambas as partes e ninguém se sinta em desvantagem. Tentamos conseguir o que é justo para toda a gente.

O segredo é ser razoável mesmo que a outra pessoa não esteja a sê-lo. Aceitamos que podemos não conseguir aquilo que queremos, mas estamos dispostos a comunicar o nosso ponto de vista.

“Mas porque hei-de de ter uma atitude conciliatória quando as outras pessoas nem querem saber aquilo que sinto?”

Ser conciliador aumenta a nossa hipótese de conseguirmos aquilo que queremos, dá-nos poder e evitamos situações de stress.

Ser assertivo

Às vezes as pessoas pensam que ser assertivo só é necessário quando queremos reivindicar os nossos direitos.

Ser assertivo é mais do que isso. Ser assertivo significa que estamos dispostos a expressar os nossos pensamentos, sentimentos e necessidades de uma forma em que também tem em conta os direitos dos outros. O espírito é “tanto o meu e o teu ponto de vista são válidos, vamos tentar nos entender um ao outro”.

Isto implica estarmos dispostos a comunicar de forma honesta e clara, e estarmos preparados para falar sobre o que queremos.

Ser assertivo permite-nos ter relações saudáveis baseadas no respeito mútuo.

Explicar aos outros como te sentes

Ao descrevermos os nossos sentimentos sem culpar nem criticar a outra pessoa, abrimos a porta a uma negociação conciliatória.

Às vezes as pessoas têm atitudes ou dizem algo que nos deixa tristes e desconfortáveis. Ao explicarmos o que sentimos perante determinada situação, comunicamos as nossas inquietações de forma não ameaçadora.

Por exemplo, “João, quando EU estou a contar uma história e tu me interrompes, EU sinto-me triste e frustrada. EU preferia que me ouvisses primeiro até EU acabar de falar em vez de me estares sempre a interromper-me”

É importante incluir o EU porque assim estamos a descrever os nossos próprios sentimentos e preferências em vez de culparmos ou criticarmos a outra pessoa. A probabilidade de receber uma resposta conciliatória por parte do outro também aumenta.

A grande vantagem é que assim o foco permanece nos comportamentos e não na outra pessoa. Isto é importante porque os comportamentos são algo que a pessoa pode mudar.

Utilizar uma frase preliminar quando queres trazer ao de cima um assunto sensível

É uma situação geradora de ansiedade quando trazemos ao de cima assuntos que achamos que a outra pessoa nos irá responder de forma agressiva àquilo que temos para dizer.

Utilizar uma frase preliminar para dar a conhecer o nosso desconforto à outra pessoa pode reduzir a ansiedade e diminuir a possibilidade de recebermos uma resposta hostil e defensiva.

Um exemplo de uma frase preliminar pode ser: “Eu quero falar sobre algo contigo, mas sinto receio e desconforto em tocar neste assunto. Eu espero que estejas disposto a ouvir-me de mente aberta”. 

Saber responder quando os outros te falam de forma agressiva

Nestas situações podemos começar com uma frase descrevendo aquilo que sentimos e o que queremos, tal como por exemplo:

“Quando falas comigo num tom agressivo, eu sinto-me intimidada e desconfortável. Eu gostava que pudéssemos falar sobre este assunto, mas não quero ter que argumentar contigo. Se quiseres podemos falar sobre isto de forma razoável ou então falarmos mais tarde quando estiveres mais calmo”. 

A comunicação é uma ferramenta poderosíssima e que não deve ser subestimada, por isso devemos utilizá-la de forma inteligente e eficaz.

Referências:

Edelman, S. (2006). Change your thinking: Overcome stress, combat anxiety and improve your life with CBT. Random House.

você pode gostar também Mais do autor

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies Mais informação

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies

Close