Rubéola ou Sarampo alemão

O que é a Rubéola ou Sarampo alemão, quais os sintomas, como prevenir e como tratar.

Avaliar

A Rubéola também conhecida como Sarampo alemão é uma doença considerada infecciosa aguda, que tem como agente um vírus perfilado como muito contagioso, que provoca reacções eruptivas na pele, os sintomas mais comuns são a alteração na pele geralmente designada de exantema, a dilatação dos gânglios do pescoço e febre pouco elevada.

A rubéola foi descrita pela primeira vez na Alemanha há duzentos anos e por isso também costuma ser chamada sarampo alemão. A sua sintomatologia caracteriza-se principalmente pelo aparecimento de uma erupção, primeiramente na face e no pescoço, e depois com propagação pelo resto do corpo, em aproximadamente vinte e quatro horas, embora nos casos das mulheres adultas nem sempre se verifiquem as tais manchas avermelhadas sobre a pele (as mesmas não costumam elevar-se acima da superfície).

Embora seja uma doença que compromete crianças e adultos jovens, a infecção no início da gravidez pode acarretar graves deficiências do feto, com riscos sérios de a criança nascer com problemas congénitos.
Sendo uma doença de origem viral, o seu vírus, com período de incubação em média de 18 semanas, potencia uma infecção através da mucosa do trato respiratório superior e multiplica-se, em primeiro lugar, nos nódulos linfáticos cervicais (região do pescoço). O período de maior transmissibilidade e contágio acontece durante a semana que antecede o exantema (as tais alterações na pele) e quatro dias depois do seu aparecimento.

Apesar da sintomatologia referida ante-riormente, algumas vezes a rubéola começa por provocar um mal-estar generalizado, febre baixa e o aumento dos gânglios do pescoço e só depois evolui atacando o corpo todo. Normalmente, poderá afectar-nos apenas uma vez ao longo de toda a vida, pois uma crise costuma conferir a imunidade.

Síndrome da Rubéola Congénita

Embora benigna, a rubéola é uma doença perigosa pelo facto de poder causar malformações no feto, quando ocorre nas primeiras 20 semanas de gravidez. A incidência e a gravidade das eventuais malformações varia em função do tempo de gestação e da intensidade da própria doença.
Quando desenvolvida durante a gravidez, a rubéola pode acarretar a infecção da placenta e consequentemente do feto. O vírus não destrói as células do feto, mas, à nascença, o bebé apresenta, ao nível dos diversos órgãos, um número de células inferior ao normal. Quanto mais cedo ocorrer a infecção, maior o risco de o vírus provocar graves anomalias. A infecção nas primeiras 20 semanas de gravidez provoca anomalias em cerca de 80 por cento dos casos, sendo o período mais crítico entre a 9.ª e a 12.ª semana. As infecções depois da 12.ª semana de gestação provoca defeitos assinaláveis em 15 por cento das crianças, pelo que apenas depois das 20 semanas (quatro meses e meio) é que o risco de a doença afectar o bebé é consideravelmente menor.

As crianças com rubéola congénita podem ter uma ou mais anomalias,
incluindo defeitos cardíacos, oculares (cataratas, micro-ftalmia) e possibilidades de surdez. As crianças recém-nascidas também podem apresentar um atraso no crescimento, incapacidade para se desenvolverem, anemia e riscos de paralisia cerebral.

O número de problemas que este tipo de rubéola acarreta, induz uma taxa de mortalidade entre recém-nascidos infectados pelo vírus na ordem dos 20 por cento. Outros parecem saudáveis, mas podem, posteriormente, manifestar anomalias, uma vez que o vírus continua presente 18 meses após o nascimento. A surdez, por exemplo, muitas vezes não é detectada à nascença, mas apenas meses mais tarde.

A rubéola é uma doença de vacinação obrigatória, pelo que em Portugal as crianças têm sido vacinadas e existem mais conhecimentos sobre a doença. Luísa Martins, ginecologista e obstetra da Maternidade Alfredo da Costa, afirma que se tem verificado um declínio da doença e “é já pouco frequente aparecerem mulheres grávidas com rubéola”. Em Portugal o diagnóstico da rubéola (infecção ou doença) faz-se actualmente em laboratórios especializados, entre os quais o Instituto Nacional de Saúde. As provas laboratoriais para despiste da doença fazem-se através de uma amostra de sangue, pelo qual se pretende determinar o estado imunitário da população.

Fatos que deve saber sobre a Rubéola:

  • O agente da doença é um vírus e o reservatório é o homem;
  • O contágio é directo ou indirecto através de contacto com doente ou com objectos contaminados;
  • O período de incubação da doença é longo;
  • A doença não pode ser diagnosticada apenas por critérios clínicos, é necessária confirmação laboratorial;
  • A doença não é igualmente perigosa em todas as fases da gestação. Depois das 20 semanas
    de gravidez os riscos são menores;
  • A prevenção da doença é feita mediante a vacinação;
  • A mulher que é vacinada contra a rubéola deve esperar três meses antes de engravidar para verificar a imunidade à doença;
  • As mulheres em início de gravidez que apresentem a doença exantemática e características clínicas de rubéola devem interromper a gravidez;
  • A vacina ou a infecção conferem a imunidade.

Como prevenir e controlar a Rubéola:

Antes de um casal decidir ter um filho é conveniente que a futura mãe recorra a uma consulta pré-concepcional, onde serão pedidas análises para verificar, entre outras questões, se está ou não imunizada contra a rubéo-la. A pesquisa de anticorpos indicará susceptibilidade (quando se verifica ausência de anticorpos) ou imunidade (quando se verifica presença de anticorpos).

No caso de a resposta ser a susceptibilidade, a mulher deve ser vacinada antes de engravidar, porque, embora a vacina seja o melhor método preventivo da doença – originando a produção de anticorpos em 95 por cento dos casos -, pode também infectar a placenta, produzindo artralgias e artrites.

Por isso a vacina não deve ser administrada a uma mulher grávida ou a uma mulher que possa engravidar no prazo dos três meses que se seguem à vacinação, até porque nesses casos não se garante a imunidade à doença.

Como todos os cuidados são poucos e o vírus da rubéola é altamente contagioso parece sensato que todas as mulheres grávidas sejam submetidas a um teste sorológico para a rubéola e, caso este indique susceptibilidade, elas devem receber a vacina imediatamente após o parto.

Nos casos de mulheres em início de gestação adoecerem com rubéola em estado exantemático, ou seja, com a aparição de alterações na pele e com o diagnóstico clínico de rubéola confirmado laboratorialmente, deve ser proposta a interrupção da gravidez, sob pena da criança nascer com graves anomalias.

Como prevenir e controlar a Rubéola nas crianças:

A vacina também pode produzir febres episódicas breves, mas sem quaisquer efeitos secundários. Crianças vacinadas não conta-giam nem transmitem o vírus nos contactos em casa. Inversamente, crianças não imunizadas podem transportar o vírus selvagem para casa e disseminá-lo nos contactos familiares susceptíveis.

Ao longo do século xx, as epidemias de rubéola ocorreram de seis em seis ou de nove em nove anos, e quase sempre no Inverno ou na Primavera, afectando sobretudo crianças em idade escolar. Sabe-se que, num surto de 1964, mais de 20 000 crianças nasceram com graves manifestações de rubéola congénita.

Depois de introduzida a vacina e desde que a sua aplicação passou a ser corrente e obrigatória em crianças em idades compreendidas entre um e doze anos e em adolescentes e mulheres em idade fértil, o número de casos da doença diminuiu.

Frequência da infecção do feto e possibilidades de adquirir rubéola congénita:

Infecção da mãe Frequência de infecção do feto Frequência de rubéola congénita
10 dias antes da concepção = 3.5% = 3.5%
1ª-7ª semana de gestação 70 – 90% 56%
8ª-12ª semana de gestação 70 – 90% 25%
13ª -17ª semana de gestação 54% 16 – 10%
17ª-26ª semana de gestação 20% < 35%
27ª-38ª semana de gestação < 35%

 

Algumas repostas a perguntas muito comuns sobre a Rubéola:

Como é que a vacina contra a rubéola actua?
Provoca uma resposta do organismo, traduzida pela produção de anticorpos, pelo que, no caso de a mulher estar em contacto com o vírus, não existe possibilidade de ficar com a doença, na medida em que os anticorpos que foram estimulados pela vacinação o impedem.

O efeito preventivo da vacina da rubéola tem 100 por cento de eficácia?
Há mulheres que são vacinadas e que não respondem à vacina, mas o número é baixo. O mais importante é que as mulheres vacinadas façam um controlo pós-vacina para verificar se estão ou não imunes e evitar problemas durante a gravidez.

Uma mulher que levou a vacina em criança necessita de levar um reforço da mesma antes de engravidar?
Antes da mulher engravidar deve fazer análises que permitam verificar se está ou não imune à doença. A maior parte das pessoas vacinadas em criança, ou que já tiveram a doença, à partida estão imunizadas, mas em todo o caso convém sempre testar. O eventual reforço
só é necessário quando existem susceptibilidades por parte da mulher de apanhar a doença.

As manifestações da rubéola nas mulheres são iguais às que ocorrem nas crianças?
Nem sempre. O que geralmente acontece é que só metade das mulheres com rubéola têm manifestações externas (o exantema, as adenopatias, etc.). Muitas vezes a mulher tem febre e sente alguma impressão no pescoço, mas isto acaba por passar sem problemas de maior e a mulher esteve com rubéola e nem se apercebeu disso.

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close