Dieta cetogénica, uma espécie de dieta terapêutica que devia conhecer

Dieta cetogénica, uma espécie de dieta terapêutica que devia conhecer
5 (100%) 2 votos

A Dieta cetogénica é popular sobretudo junto de desportistas profissionais e praticantes de musculação como forma de “secar” as gorduras. Mas a dieta cetogénica tem uma versão, mais rígida, embora pouco conhecida, que atua como se de um verdadeiro medicamento se tratasse: ajuda a controlar as crises de epilepsia em crianças. 

Não há uma mas várias dietas conhecidas por este nome. A dieta cetogénica foi popularizada pelo cardiologista americano Robert Atkins nos anos 70. Na verdade, a “versão” deste médico é chamada mesmo de dieta Atkins ou dieta da proteína e o cardiologista defendeu-a por considerar que o que causa a obesidade não é o consumo de muita gordura, e sim o consumo exagerado dos hidratos de carbono. Em traços largos é um regime alimentar que passa por reduzir ou eliminar tudo o que são massas, arroz e pão branco, mas na qual se podem consumir sem restrições todos os alimentos sem hidratos de carbono, ou seja, todas as proteínas, gorduras e fibras.

dieta cetogénica

Este tipo de dieta – rica em gorduras e proteínas e pobre em hidratos de carbono – é muito popular entre os praticantes de musculação, culturismo e desportistas que não querem perder peso, mas sim perder gordura, mantendo a massa magra (o músculo).

A dietista Andreia Rua explica-nos que quando aplicada aos desportistas, por vezes fala-se de uma dieta cetogénica cíclica. “Se esta população aplicar a dieta cetogénica, tal qual como se define, o desportista pode ficar sem resistência para a prática de atividade física e, para perder gordura sem ficar flácido, esta prática é fundamental. Assim, cria-se um ciclo de hidratos de carbono de modo a preencher as reservas de glicogénio: durante 5 dias a dieta é constituída por muita proteína, gordura e fibra enquanto nos restantes 2 dias privilegiam-se os hidratos de carbono.”

Mas o grande trunfo desta dieta pode mesmo ser para aqueles – sobretudo crianças –que sofrem de epilepsia refratária, ou seja, uma forma da doença que, embora pouco frequente (cerca de 7 por cento dos casos), não cede à medicação, ainda que conjugando vários anti-epiléticos. Conceição Robalo, neuropediatra e responsável pela consulta de epilepsia do Hospital Pediátrico de Coimbra, à margem de um encontro de profissionais de saúde, definiu-a mesmo como uma dieta que é “uma esperança para todas as crianças e familiares de crianças com epilepsia fármaco-resistente”.

Tanto no caso dos desportistas como dos doentes com epilepsia, esta dieta produz o mesmo efeito: induz a cetose. “Este é um estado no qual o corpo converte gordura em corpos cetónicos de modo a que o cérebro os possa usar como combustível quando a glicose está presente apenas em quantidades mínimas”, explica a dietista Andreia Rua.

Mas, nas crianças, como terapia anti-convulsões, o processo é bastante diferente e bem mais complexo: “antes da aplicação da dieta, a criança é submetida a um jejum hospitalar, que dura entre 24 a 72 horas, até se estabelecer o estado de cetose. Atingido este estado calcula-se a dieta tendo em conta que 75 por cento das calorias

totais ingeridas devem ser provenientes das gorduras. A proteína é calculada de modo a que forneça a ingestão apropriada para o crescimento e, os hidratos de carbono preenchem o valor em falta, sendo por isso uma quantidade muito reduzida”, explica a nutricionista.

Tudo isto é pensado ao mínimo pormenor com base na altura, idade e peso ideal da criança, mas a conta que não pode falhar é a seguinte: por cada 6 calorias que a criança consome, 4 devem ser provenientes das gorduras e 2 de proteínas e hidratos de carbono. “As porções devem ser cuidadosamente pesadas, até à ínfima grama. Por vezes, até os hidratos de carbono presentes na pasta de dentes infantil devem ser contabilizados. A adoção desta dieta exige todo um ensinamento aos pais sobre nutrição, desde definições de Kcal [calorias], gordura e proteína a práticas alimentares como peso e medida de todos os ingredientes”, remata a dietista Andreia Rua.

Embora não seja fácil de preparar para os pais e seja um pouco penoso de levar a cabo para as crianças, a verdade é que, de acordo com os estudos mais recentes, a dieta cetogénica permite que um em cada quatro doentes fique totalmente livre de crises epiléticas.

Dieta cetogénica terapêutica, alguns dados:

– O jejum é o primeiro passo para o início da dieta cetogénica.

– A dieta cetogénica é sempre é planeada individualmente. Não forneça sua dieta a outros pacientes.

– O tratamento geralmente é feito por 2 ou 3 anos.

– No primeiro mês a dieta requer um ajuste. Mantenha sempre as anotações da cetonúria e variações do peso.

–  O jejum provoca uma mudança no corpo trocando a forma de energia que o nosso organismo usa em condições normais, ou seja, troca a utilização da glicose para a utilização das gorduras. Esta queima das gorduras produz os corpos cetónicos.

– Cetose significa que as cetonas aumentaram no sangue e urina. Quanto mais profunda a cetose, melhor o controle de crises. A dieta cetogénica mantém esse processo e é desta forma que pode ocorrer o controlo das crises epiléticas.

Fontes:

Associação Brasileira de Epilepsia
Andreia Rua, dietista
Associação Portuguesa dos Dietistas

Guardar

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close