Mitos sobre alimentação, efeito yo-yo nas dietas

Mitos sobre alimentação, efeito yo-yo nas dietas
Avaliar

A área da nutrição está carregada de mitos acerca do que comer, do que não comer, em que quantidades, dos horários e sobretudo do que engorda. Depois de falar com os nutricionistas Rui Jorge e Lillian Barros, chegamos à conclusão que, além de quase todos estes mitos serem falsos, podem também ser perigosos.

Ainda existem demasiados mitos sobre alimentação, podendo estes inclusivamente afetar de forma negativa a saúde daqueles que neles acreditam cegamente”, alerta Rui Jorge.

O nutricionista dá desde logo três exemplos que ouviu em consulta no próprio dia em que falou conosco e que são frequentes: “estou a tentar emagrecer e por isso não como nada após as 17h00”, “o melão engorda muito” e “a restrição de hidratos de carbono é a melhor forma de emagrecer”. Mito, mito e mito. Como explica o nutricionista, não se comer após as “x” horas (que tem muitas variantes: 16h, 17h, 18h) é absolutamente falso, não existindo nenhuma hora após a qual é proibido comer; quanto ao melão possui apenas cerca de 27 calorias (kcal) por cada 100 gramas; e no que toca às dietas para perder peso com elevada restrição de hidratos de carbono, estas não possuem sustentação científica de longo prazo, indiciando inclusivamente potenciais prejuízos para a saúde de quem as segue. Isto só para começar.

Hoje em dia há uma imensidão de informação, sobretudo online, sobre dietas, propriedades dos alimentos, hábitos e comportamento alimentares. Mas, como alerta a nutricionista Lillian Barros, além de entre todo este excesso de informação ser fácil encontrar conselhos contraditórios, muitas vezes, os conteúdos não têm base científica.

“Quando tentamos encontrar informações sobre nutrição, e sobretudo sobre dietas, existe de tudo um pouco e para todos os gostos. É um tema mediático e, portanto, todos querem ter uma opinião”, afirma a nutricionista que defende que neste caso, como noutros, quantidade não quer dizer qualidade, pelo que é importante que quem se interessa pelo tema tenha a certeza de que se trata de informação credível passada por profissionais da área.

Lillian Barros admite, no entanto, que “é verdade que já temos uma população mais alertada e consciente para os benefícios de uma alimentação saudável e da manutenção de um peso adequado. E esta consciência é o primeiro passo para a alteração dos hábitos pessoais e familiares.” Mas o passo seguinte tem de ser fazê-lo sob a orientação de um profissional credenciado e para alcançar os objetivos desejados de uma forma equilibrada e acima de tudo permanente – sem o efeito yo-yo.

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close