Branqueamento dentário, em busca de um sorriso perfeito

17

Quase todos temos os dentes menos brancos do que gostaríamos. E quando essa tonalidade menos apetecida estraga o brilho do sorriso, o branqueamento dentário é um tratamento não invasivo que pode ser a solução. Paula Sequeiros, especialista em Estomatologia e em Cirurgia Maxilo-Facial, contou-nos tudo sobre este procedimento.

Quanto vale um sorriso? Muito. E a opinião é tão unânime que quase que dispensava a apresentação de estatísticas a comprová-lo. Mas, ainda assim, a American Academy of Cosmetic Dentistryfez um inquérito sobre o tema.

Os dados confirmam aquilo que nos diz à partida o senso comum: 99,7 por cento dos inquiridos pensa que o sorriso é socialmente um grande trunfo, 96 por cento acha que é um dos elementos chave no que toca em ser atraente aos olhos do sexo oposto e 74 por cento acredita que um sorriso pouco atrativo pode mesmo prejudicar as hipóteses de sucesso profissional.

Finalmente, quando questionados acerca do que gostariam de melhorar no seu próprio sorriso a resposta mais comum foi ter dentes mais brancos e brilhantes.

Paula Sequeiros tem um dos melhores cartões-de-visita que um dentista pode ter: um sorriso impressionante. Além disso, tem a paixão de transformar uma boca arruinada num sorriso saudável e resplandecente e foi com ela que fomos conversar sobre uma das formas de melhorar o sorriso, o branqueamento.

Como nos explicou a especialista, há fundamentalmente três razões pelas quais não temos os dentes tão brancos como gostaríamos: porque estão manchados pelos alimentos e líquidos devido à placa bacteriana, simplesmente porque é a cor deles (há várias tonalidades de esmalte) ou porque o natural processo de envelhecimento os tornou mais escuros.

Quando o problema são manchas provocadas por placa bacteriana, ou seja, amarelecimento extrínseco, por norma uma boa limpeza dentária em consultório é suficiente. Quando é a própria cor do dente ou resulta do envelhecimento e não há outros problemas, o branqueamento pode ser uma boa opção com ótimos resultados.

Da primeira consulta aos dentes a brilhar: o processo

O branqueamento consiste na aplicação de produtos cujas substâncias ativas libertam oxigénio na estrutura do dente, oxigenando os pigmentos amarelados, o que “abre” a cor do próprio dente Quando há manchas ou coloração intrínseca ao dente, a primeira abordagem é sempre o branqueamento.

É considerada uma intervenção estética, mas isso não faz com que requeira menos cuidados, pelo que para ser realizada com segurança e bons resultados, envolve alguns passos prévios, como explica Paula Sequeiros. O primeiro passo, além da observação da boca do paciente, é fazer radiografias para determinar se há cáries ou fraturas que não sejam visíveis.

Isto porque não é possível fazer o branqueamento nem num caso nem noutro: se há cáries, há bactérias e como durante o branqueamento o dente fica poroso isso pode acarretar muitos problemas; no caso das fraturas porque, se as há, o paciente vai ter dores a sério.

Indispensável também é fazer um teste de sensibilidade já que os produtos usados para branquear podem provocar muita sensibilidade dentária. Quer isso dizer que quem tenha sensibilidade dentária pré-existente ou a demostre neste teste, não é bom candidato a um branqueamento.

No que toca a branqueamento, surgem sempre dúvidas como: só no consultório ou só em casa? Com laser ou com luz? Paula Sequeiros esclarece: “O laser e a luz usados em consultório só fazem uma coisa: ativam o produto que é aplicado, mas o que branqueia é o produto, não o laser.” Quer isto dizer que o laser ou luz vão permitir que em 20 minutos ou meia-hora haja uma diferença substancial de tom nos dentes.

Mas a chave de um bom branqueamento, de acordo com a estomatologista, não passa só por aqui: “com os branqueamentos exclusivamente feitos em consultório, seja com laser ou luz, a pessoa sai daqui feliz, mas depois daí a seis meses está igual.

Quando acompanhado pelo tratamento em casa, os pacientes só costumam ter de fazer retoques após três ou quatro anos.” Ou seja, o ideal é usar a técnica que conjuga os dois, mas a ser dispensada alguma será a do consultório, não a feita em casa.

Para o tratamento realizado em casa são feitos moldes e criadas umas moldeiras à medida da cada pessoa que têm uma espécie de reservatório na parte da frente dos dentes e é lá que é colocado o produto.

São dois os produtos mais utilizados no tratamento: o peróxido de hidrogénio – que é da família da água oxigenada, mas em gel e com concentrações específicas – e o peróxido de carbamida. Enquanto o segundo é mais usado para branqueamentos noturnos, porque exige mais tempo de contacto com os dentes, o peróxido de hidrogénio é mais para branqueamentos diurnos, já que atua em 30 minutos ou uma hora. Assim, é mais fácil o tratamento ser ajustável há vida de cada um, sendo que, como é óbvio, não se pode comer, beber ou falar enquanto está com a moldeira colocada.

Contraindicações para branqueamento dentário

Segundo as recomendações internacionais, o branqueamento não deve ser feito nos seguintes casos:
– Durante a gravidez
– A menores de 16 anos
– A pacientes com sensibilidade dentária
– A pacientes com cáries ou fraturas dentárias

A solução para estas situações são as pastas dentífricas com elixir branqueador que, quando usadas regularmente, ajudam a obter alguns resultados, embora lentamente.

Cuidados para evitar o amarelecimento dos dentes

O cuidado base, não só no que toca a evitar manchas e amarelecimento é uma boa higiene oral. Paula Sequeiros é peremptória: “a placa bacteriana é a mãe de todas as desgraças na boca: das manchas, da cárie, da gengivite. Portanto, se removermos a placa bacteriana eficazmente todos os dias, além de estarmos a viver mais saudáveis, não temos, por exemplo, uma gengivite crónica, não aparecem cáries e todos estes processos de envelhecimento são altamente retardados.”

E o que é uma boa higiene oral? Lavar os dentes no mínimo três vezes por dia e uma delas, preferencialmente à noite, ser uma escovagem mais meticulosa. Paula Sequeiros aconselha a escova elétrica com o temporizador cerca de 2 minutos – e o fio dental mais um ou dois minutos. No que toca ao uso de líquidos e elixires, não há nada contra desde que sejam usados para complementar a escovagem e nunca para a substituir. Estes cuidados de higiene oral, estão também associados à prevenção do mau hálito.

De resto, a estomatologista afirma que para deixar bem clara esta questão costuma perguntar os pacientes se já experimentaram lavar um carro só com a mangueira. Não fica lavado, pois não?. Com os dentes é a mesma coisa: se não houver uma ação mecânica – que é a escovagem e o fio dental – apesar de se sentir a boca muito fresca, a placa bacteriana vai ficar toda lá na mesma.

Agora vamos mais em pormenor à relação entre a higiene oral e as odiadas manchas amarelas e temos boas e más notícias para lhe dar. Vamos começar pelas más, até porque nesta altura já não serão surpresa: está recordado de todas aquelas vezes em que não lava os dentes a seguir ao almoço porque se esquece ou não dá jeito e todas as noites em que, como está cheio de sono, escova os dentes em 10 segundos? Inevitavelmente o seu “prémio” por esta falta de cuidado vão ser dentes amarelados e gengivas inflamadas e vermelhas.

Agora vamos à boa notícia, que vai mudar se não a sua vida, pelo menos a sua dedicação à escovagem dos dentes. É sabido que o café e o chá mancham os dentes, diz a cultura popular. Mas será que mancham mesmo? Resposta: “Se uma pessoa fizer uma escovagem fantástica, nem o café lhe mancha os dentes. O café tem de ter alguma coisa para se agarrar ou não macha o esmalte”, afirma Paula Sequeiros. E a que é que ele se agarra?

Adivinhou, a vilã é sempre a mesma: a placa bacteriana. Aliás, numa comparação elucidativa, a estomatologista e cirurgiã maxilo-facial afirma que “a placa bacteriana está para a gengiva assim como o sol em excesso está para a pele.”

Se não conseguir evitar o escurecimento dos dentes e optar pelo branqueamento, há uma regra básica a ter em conta no que respeita ao tom: cor do dente não deve ser mais branca que a cor das escleróticas (parte branca do olho) sob pena do resultado ser muito artificial!

 

O envelhecimento: alguns problemas que o branqueamento não resolve

Paula Sequeiros tem uma expressão muito apropriada para tudo aquilo que diga respeito aos sinais visíveis de envelhecimento dentário: as rugas dos dentes.

O amarelecimento é um desses sinais e deve-se a uma natural diminuição da espessura da camada de esmalte com a idade. Como o que está debaixo do esmalte é a dentina, que é mais escura e amarelada, acontece essa alteração da cor, até porque, com a idade, também a própria dentina fica mais escura. E a resolução deste problema melhora bastante com o braqueamento.

No entanto, o envelhecimento além desta alteração de cor pode provocar outras “rugas” que o branqueamento não resolve e que tem de ser tratadas através das facetas dentárias ou dos implantes, são elas:

– Desgaste dentário

Num sorriso jovem normalmente os dentes não estão em linha reta: os incisivos centrais são mais compridos, os incisivos laterais um pouco mais curtos e depois há uma proeminência dos caninos. É esta linha, que não é uniforme, que dá beleza e juventude ao sorriso. Com a idade e com desgaste dentário por vezes essa linha fica mais direita, o que “envelhece” o sorriso.

– Alterações nas gengivas

Pensamos pouco nelas, mas as gengivas são uma parte fundamental na estética do sorriso e também elas sofrem alterações com a idade. As papilas gengivais (que são aqueles “montinhos” que temos entre os dentes) vão sofrendo uma retração, ou seja, vão ficando mais pequenas. Essa diminuição faz com que comecem a aparecer uns pequenos triângulos sem gengiva entre os dentes que são inestéticos e envelhecem muito.

– Pequenas fraturas dentárias

Quebras ou irregularidades dos dentes que lhe alteram o formato e que podem acontecer por acidente, como quedas ou alimentos muito duros ou ainda por hábitos como roer as unhas, sendo frequentes em quem sobre de bruxismo (ranger os dentes).

A saúde dos seus dentes é vital tanto a nível estético como a nível digestivo. Considere fazer verificações periódicas num dentista ou estomatologista e quando pretenda fazer algum tratamento ou branqueamento dentário, escolha sempre um profissional que se encontre devidamente credenciado pela ordem dos médicos dentistas.

você pode gostar também Mais do autor

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies Mais informação

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies

Close