O sexto sentido

O sexto sentido
Avaliar

Quando falamos de sexto sentido é outra forma de chamar a intuição?

Sem dúvida, é a intuição, o chamado sexto sentido, que nos ajuda a «adivinhar» as intenções de outra pessoa, que nos faz «escolher» este itinerário em vez do outro. Já aconteceu a qualquer de nós sentir sensações inexplicáveis, que aceitamos ou rejeitamos porque nos parecem pouco fiáveis, nada racionais.

Como escreve a actriz americana Demi Moore, grande intuitiva, que prefaciou o Guia Prático da Intuição, «a grande questão não está em saber do que se trata, nem como tal acontece, mas, sobretudo, em determinar se estamos verdadeiramente dispostos a confiar nela e a confiar em nós.

Os problemas surgem a partir do momento em que começamos a tentar interpretar estes sinais, a reflectir sobre eles ou a lutar contra os mesmos, porque a nossa intuição nos desvia, por vezes, para uma direcção que não queremos seguir. A situação converte- se, então, num conflito interior

A intuição não é um dom que atinge alguns eleitos. Pelo contrário, é uma faculdade que pode e deve ser desenvolvida. Para tal, é necessário renovar o contacto consigo mesma. Se souber escutar a sua intuição e conceder-lhe a confiança que merece, a sua vida tornar-se-á mais rica. Terá, então, a sensação de saber verdadeiramente o que é melhor para si.

Sentidos alerta

Respiramos sem precisar de pensar. Tal como os seus pulmões, o seu cérebro funciona, também ele, de modo involuntário, 24 horas sobre 24 horas. Intelectualmente falando, a intuição é como a memória: transmite-nos informações, mas não temos verdadeira consciência de tal processo. O facto de a provocar irá torná-la mais performática, mais fiável.

Os seus cinco sentidos devem estar alerta: visão, olfacto, paladar, audição e tacto aprendem a integrar as suas sensações corporais, sem a «censurar», pois são eles que a informam acerca do mundo que a rodeia. Considere os momentos durante os quais, sentada ou deitada, de olhos abertos ou fechados, consegue sentir, durante alguns minutos, o que se passa à sua volta.

Ganhe o hábito de ouvir a sua voz interior: quanto mais «trabalhar» a sua intuição, mais facilmente constatará que em seu redor as coincidências e sincronias se multiplicam. «Há algumas semanas, procurei no dicionário a palavra «epónimo» (o que dá o nome a alguém ou a alguma coisa), que tinha lido mas cujo significado ignorava», explica Corinne.

«Nos três dias seguintes, tive cinco ou seis ocasiões de ler esta palavra em livros, revistas ou de a ouvir na rádio… tive a impressão de a encontrar em todo o lado e, de cada vez, saltava à vista.» Realmente, tudo é «signo», e as coincidências não existem.

sexto sentido

Controle as emoções

Apenas um estado de alerta permanente permite a intuição exprimir-se livremente. Não espere mensagens claras, respostas prontas: a intuição manifesta-se geralmente por metáforas, imagens simples ou complexas que deverá descodificar. Se expressar emoções (cólera, medo, inquietação) já não está em estado intuitivo, mas em estado de razão, pois a intuição está desligada das percepções.

O mesmo ocorre se, em pensamento, impuser a si mesma obrigações («É preciso que eu…») ou se os seus pensamentos se organizarem pela lógica. Descontraia, respire tranquila e profundamente. Poderá igualmente concentrar-se, graças a uma imagem escolhida por si e que lhe permitirá esvaziar o pensamento.

Uma vez concentrada e aguardando o seu «estado intuitivo», coloque-se algumas questões e formule-as. Quantas vezes se deu conta de que falava sozinha? O facto de formular (oralmente ou por escrito) as perguntas que faz a si mesma, ajudá-la-á, logo à partida, a encontrar o início da resposta, pois a ideias surgem, o pensamento liberta-se e enriquece.

Recomendamos que leia também:

Personalidades múltiplas: Eu, eles e os outros?

Somatização o que é? Quando a nossa cabeça põe o corpo doente!

Combater o esgotamento e o stress

Descodificar sinais

A informação intuitiva raramente chega clara e límpida, organizada em frases inteiras ou em «filme». Pelo contrário, constitui-se como uma sequência de dados, uma espécie de mensagem codificada, fragmentária, rica em símbolos, que deverá sintetizar, traduzir e interpretar: é a si que cabe atribuir um sentido a este conjunto de dados.

É a validade da sua interpretação que tornará esta informação intuitiva «verdadeira» ou «falsa». Na prática, é um pouco como aprender a exprimir-se numa língua estrangeira. Cada símbolo (as ondas, a cor amarela, um carro velho, a montanha, uma mulher negra) pode ter um significado diferente segundo a pessoa, mas também segundo o contexto. Está nas suas mãos criar o seu próprio «dicionário».

Feche os olhos, concentre-se e procure ver o símbolo da sua caminhada intuitiva. Que imagem lhe chega? A cor malva? Um peixinho? Experimente, de seguida, encontrar à sua volta este símbolo e «coleccione-o». Ele ajudá-la-á a tomar consciência de que, quando o vir surgir, está em pleno trabalho intuitivo. Interrogue-se sobre o seu simbolismo sensorial (que sente quando está feliz? ou quando lhe dizem não?; o que é para si um cheiro agradável? e desagradável?; o que é uma imagem positiva? e negativa?) e aponte as suas respostas num caderno. De cada vez que tiver uma intuição, anote a pergunta que se lhe coloca, bem como tudo o que lhe vier à cabeça. Pouco a pouco, o seu dicionário enriquecer-se-á ajudando-a, progressivamente, a ver mais claro.

Oiça a sua voz interior

Escute com igual dedicação os pequenos avisos que iluminam, por vezes, o seu cérebro, mesmo se lhe parecem tontos ou irracionais. «A última vez que não obedeci ao meu instinto que me dizia: ‘Desconfia, não vás sozinha, dá meia-volta, passa-se qualquer coisa estranha’, roubaram-me a carteira dois minutos mais tarde no parque de estacionamento», conta Isabel. «Roí-me de raiva por não ter ouvido o meu instinto naquele momento, por não ter confiado nele.»

Medite para reforçar a sua intuição!

«Em meditação zen, a intuição, que tem a sua sede no rosto, associa-se a cor anil do prisma luminoso», explica Nicole Sinet, mestre de shiatsu em Paris, que pratica a terapia pela luz. Assim sendo, pode usar esta cor pura e clara, tantas vezes quantas desejar, e, sobretudo, na zona superior do corpo.

Experimente igualmente «encher-se» com esta cor, de modo a desenvolver a sua intuição: estenda-se num compartimento bastante oxigenado (de janela aberta, por exemplo) e descontraia-se até o seu corpo ficar muito leve. Concentre-se na respiração que deve tornar-se ampla, regular e tranquila.

Depois, visualize simplesmente a cor anil (próxima da da lavanda, entre o azul e o violeta), sinta-a penetrar o seu rosto e irradiar no seu espírito durante longos minutos.

Manterá, assim, os sentidos em alerta e o espírito claro, pronta a seguir, com toda a confiança, o seu sexto sentido.

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close