Aprenda como evitar as Conjuntivites!

Atualizado a:

Olhos vermelhos, lacrimejantes e “colados”? É quase certo que se trata de uma conjuntivite. Descubra aqui tudo o que precisa de saber sobre esta inflamação muito frequente, sobretudo como evitá-la e como aliviar o desconforto.

A conjuntivite é uma inflamação nos olhos, mais especificamente, da conjuntiva, membrana transparente e fina que reveste a parte da frente do globo ocular (parte branca do olho, ou esclera). Por norma, é causada por reações alérgicas a poluentes ou substâncias irritantes como fumo, cloro de piscinas, produtos de limpeza e maquilhagem além de vírus e bactérias transmitidos diretamente por objetos infetados.

Uma conjuntivite dificilmente passa despercebida. Como nos explicou a oftalmologista Ana Melo Cardoso, a inflamação, irritação e ardência fazem os olhos ficar vermelhos, mais ainda se não conseguir evitar coçar. A especialista explica que a pálpebra poderá inchar, os olhos ficam lacrimejantes e com uma secreção que pode ser mais espessa e branca, no caso da conjuntivite bacteriana, ou mais clara, no caso da conjuntivite viral ou alérgica. Além disso, pode causar uma grande sensibilidade à luz e a sensação de ter um corpo estranho nos olhos (como se tivesse areia).

evitar conjuntivite

Apesar de habitualmente a conjuntivite não ser uma situação grave, causa um grande desconforto a nível ocular.

Para aliviar os sintomas da conjuntivite, Ana Melo Cardoso recomenda a lavagem das pálpebras suavemente, com água, e usar um pano para as manter limpas e livres de secreções; pode ainda usar as chamadas ” lágrimas artificiais” e compressas frias para aliviar o desconforto.

O tratamento em si apenas poderá ser prescrito por um médico oftalmologista já que depende do tipo de conjuntivite, conforme a causa poderão ser prescritos antibióticos, anti-inflamatórios, corticoides ou anti-histamínicos tópicos.

Ana Melo Cardoso alerta ainda que a conjuntivite deve ser diagnosticada pelo médico oftalmologista, pois existem patologias graves com quadros semelhantes às conjuntivites que necessitam de controlo e vigilância. Além disso, embora os sintomas dos vários tipos de conjuntivites sejam semelhantes entre si, estas podem ter gravidades diferentes, sendo classificadas a partir da causa, evolução e de acordo com as secreções que produzem.

 

Mais vale prevenir que remediar

Principalmente para quem tem os olhos sensíveis, prevenir pode ser mesmo o melhor remédio e fazer uma grande diferença. Por ser uma condição bastante contagiosa a oftalmologia Ana Melo Cardoso recomenda os seguintes cuidados:

Boa higiene nas mãos

Lavar as mãos com frequência pode parecer um conselho básico, mas na realidade é mais importante do que possa parecer. Não podemos esquecer que as nossas mãos estão em constante contato com o ambiente à nossa volta, sobre o qual temos pouco controlo em termos higiénicos.

Cuidados com as piscinas

Existem dois potenciais perigos nas piscinas: as substâncias irritantes, como o cloro, capaz de desencadear uma alergia, e o perigo de contágio. Contudo, nem toda a gente é sensível à segunda situação, sendo apenas de prevenir no caso de pessoas já sensíveis e predispostas ao contágio da conjuntivite.

Não coçar os olhos

Para além de haver a possibilidade de termos tocado em algo contaminado com as mãos, o ato de coçar os olhos pode, por si só, causar irritação em pessoas mais propensas à inflamação dos olhos.

Alterar com frequência as fronhas da almofada e as toalhas da casa de banho

É importante alterar frequentemente as toalhas de casa de banho e as fronhas da almofada da cama de forma a evitar a propagação da doença.

você pode gostar também