A mastectomia preventiva e o seu impacto

A mastectomia preventiva e o seu impacto
Avaliar

Sabe o que é a mastectomia preventiva?

O câncer (cancro) de mama é o segundo tipo de cancro mais frequente em todo o mundo e o primeiro quando se trata de mulheres.

A cirurgia de mastectomia preventiva é uma espécie de vazamento do seio, ou seja, a retirada da região interna da mama, mais concretamente a glândula mamária juntamente com os ductos mamários, sendo estas as zonas nas quais é mais comum surgir a formação de um tumor.

É um fato que o histórico familiar da doença é um fator de risco verificado e concreto a ter em conta, isso deve-se a que os registos apontam que entre 5 e 10% de todos os casos existe uma herança de mutações genéticas onde no mínimo 50% desses casos hereditários, resultam de mutações nos genes de penetrância BRCA 1/2 e p53, geralmente denominados como supressores de tumores.

O mapeamento genético tem vindo a ser muito utilizado na detecção destas mutações com a intençao de preservar a qualidade de vida das pessoas, principalmente, tendo em conta as elevadas hipóteses do desenvolvimento desta doença, que pode chegar a ser mortal.

Tendo em conta as mutações constatadas, podem ser tomadas algumas atitudes estratégicas para reduzir os riscos do cancro de mama. Uma das alternativas mais usadas e mais eficazes é mesmo a mastectomia preventiva, que, apesar de ser considerada uma técnica de caráter muito agressivo, mutilante e traumatizante para a vida, saúde e auto-estima da mulher, tem sido muito usada em mulheres com histórico familiar que se submeteram ao mapeamento genético onde foram identificadas mutações nesses genes.

Importância do histórico familiar da doença.

A elevada taxa de mortalidade deve-se ao fato da doença ser muitas vezes diagnosticada quando já se encontra em estágio avançado. O desenvolvimento do cancro de mama pode ser facilitado por fatores externos, como o estilo de vida ou fatores emocionais, assim como por fatores internos – de predisposição hereditária ou dependente da constituição hormonal.

O histórico familiar da doença é, certamente, um fator de risco bem estabelecido, tendo como característica o acometimento de mulheres ainda muito jovens, onde esse histórico familiar está associada a um aumento de aproximadamente duas a três vezes no risco de desenvolver essa neoplasia.

Estudos apontam que mulheres que apresentem mutações no gene BRCA 1, apresentam risco de 50 a 80% para o desenvolvimento de câncer de mama até os 70 anos. Risco muito semelhante correm os portadores de mutações no gene BRCA 2, porém, em idade mais avançada.

mastectomia preventiva

Existem pré-requisitos para esta cirurgia?

Não existem pré-requisitos obrigatórios para a mastectomia preventiva, ela é recomendada a quem possuir um risco elevado de cancro de mama. Todavia, regra geral os médicos apenas costumam recomendar a mastectomia preventiva às mulheres que já tenham tido todos os filhos que gostaria.

Isso deve-se ao fato de que após a cirurgia a mulher não vai voltar a ter condições de amamentar, visto que na cirurgia são removidas as glândulas mamárias.

Sempre deve ser tido em conta uma recomendação, nos casos em que a pessoa tenha algum parente de primeiro grau tenha sido afetado por esta doença, o ideal é que a mastectomia preventiva seja efetuada antes de atingir a mesma idade que tinha o seu parente quando sofreu câncer de mama. Um exemplo: se a mãe ou irmã da paciente foi acometida por um cancro de mama aos 40 anos, o ideal é a paciente faça uma mastectomia antes de chegar a essa idade, garantindo a assim prevenção efetiva.

A quem não é recomendado fazer a cirurgia de mastectomia preventiva?

A restrição de uma cirurgia só pode ser feita por um médico e levando em conta diversos fatores do historial clinico do paciente. Pessoas que tenham maior risco de pós-operatório, como fumadores, mulheres com obesidade e dificuldades e limitações, como diabetes e hipertensão, tem determinadas ressalvas para a realização da mastectomia preventiva, podendo chegar a ser contra indicada em determinados casos.

Coném sempre ter em conta que no momento de fazer a opção pela cirurgia deve ser muito ponderada por parte da mulher e acompanhada de muito diálogo com o médico, com a finalidade de saber se é a opção certa e o tempo certo para o fazer.  Já nos casos do cancro do ovário como é muito difícil fazer um diagnóstico atempado já se torna mais prudente avançar para uma remoção dos órgãos, sobretudo a partir do momento em que a mulher não pretende ter mais filhos.

realização da mastectomia

O mapeamento genético pode ajudar a prevenir.

O mapeamento genético tem vindo a ser cada vez mais usado para detectar estas mutações, sendo essencial para a determinação de novos tipos de conduta e abordagens para a prevenção do cancro de mama em mulheres (que tenham um histórico familiar forte), visando preservar a qualidade de vida destas.

Quando são constatadas mutações nos genes BRCA 1/2 e p53, o acompanhamento regular, a adoção de um estilo de vida saudável e a quimio prevenção, podem ser medidas profiláticas a ser tomadas. Quando a intenção é assegurar maior eficácia a alternativa mais eficaz e mais utilizada é a mastectomia preventiva.

Apesar de ser considerada uma técnica verdadeiramente extrema que resulta em alteração na imagem corporal, identidade e autoestima da pessoa, que pode chegar a despontar sintomas de depressão e ansiedade, estudos comprovaram que grande parte das mulheres que realizaram a cirurgia profilática, não
apresentaram alterações significativas em relação a sua autoestima, à satisfação com a aparência, à sensação de feminilidade, e em relação ao estresse e estabilidade emocional.

Esse fato poderá dever-se ao fato das cirurgias que se fazem atualmente terem a particularidade de apresentar bons resultados estéticos, como por exemplo a preservação do mamilo, assim como a possibilidade de implantes de silicone, onde a aparência pós-operatória é bastante similar a pré-operatória.

Tendo em conta todos estes fatos, e prevendo a qualidade de vida, a mastectomia preventiva pode ser considerada uma alternativa viável para pessoas que apresentem mutações nos genes BRCA 1/2 e p53, que possuam uma alta probabilidade de aparecimento do câncer de mama, visto que, o desenvolvimento efetivo do cancro e todas as implicações relacionadas a ele podem vir a ser bastante mais prejudiciais que o procedimento preventivo.

Na atualidade, com as técnicas inovadoras que existem, os danos estéticos são bastante minimizados em relação a necessidade cirúrgica após o desenvolvimento do câncer. Embora a mastectomia preventiva não elimine por completo a possibilidade do surgimento do cancro, ela pode ajudar a reduzir as probabilidades em valores que podem chegar aos 90%, comparando a pessoa às não portadores de mutações genéticas.

A mastectomia preventiva tem sempre um impacto na vida da pessoa, mas pode salvar-lhe a vida!

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close