Polígala-da-Virgínia – Fitologia

Avaliar

Nome em Latim: Polygala senega L.
Família: Poligaláceas
Outros Nomes: Polígala

Referências históricas: Os antigos Gregos deram o nome de polígala às espécies europeias desta planta (de poly, muito, e gala, leite), pois empregavam-na para aumentar a secreção láctea dos animais domésticos. Durante muito tempo, dava-se na Europa às vacas e às cabras com este fim, ainda que os seus resultados sejam mais do que duvidosos.

Paralelamente, os índios norte-americanos empregavam tradicionalmente outra espécie de polígala, a senega, de composição semelhante à europeia, para tratar afeções respiratórias e as mordeduras de serpentes.
É curioso verificar como a moderna investigação farmacológica deu razão aos indígenas dos Estados Unidos. Atualmente, a polígala entra na composição de diversos preparados farmacêuticos para o tratamento das afeções broncopulmonares.

Descrição:
Planta vivaz, de caule rasteiro e perene, do qual nascem uns caules herbáceos de até 30cm de altura. As flores são pequenas, de cor azulada, rosada ou branca, e agrupam-se nas extremidades dos caules. Tem um sabor áspero e acre.

Habitat:
Terrenos pedregosos do Leste da América do Norte. Cultivada noutras partes do mundo como planta medicinal.
Propriedades e Indicações: Toda a planta, e especialmente a raiz, é muito rica em saponina, substância vegetal que, como o sabão, faz a água tornar-se espumosa, por diminuir a sua tensão superficial. Contém, também, ácido poligálico e senegina, substâncias que aumentam as secreções brônquicas.

O efeito resultante de todas estas substâncias é que o muco brônquico patológico se torna menos viscoso, e mais espumoso e abundante; desta forma facilita-se a sua expulsão e, com isto, a regeneração das mucosas respiratórias.

A polígala-da-virgínia é uma planta nitidamente mucolítica e expetorante. O seu uso é, pois, indicado em todos os casos de bronquite, catarros brônquicos, asma brônquica e pneumonia, assim como para combater a tosse.
A polígala-da-virgínia, devido ao seu conteúdo em saponinas, tem ação laxante, e, em doses altas, emética (provoca o vómito).

Partes Utilizadas: A planta inteira, especialmente a raiz.

Preparação e emprego
USO INTERNO
Decocção: com 5 a 10g de folhas ou raiz triturada, por litro de água. Ferver durante 3 minutos. Tomar 3 ou 4 chávenas diárias, adoçadas com mel.
Pó da raiz: Administra-se em doses de 0,5 a 2g diários.

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close