Como escolher o método anticoncetivo certo

Avaliar

O panorama dos anticoncetivos é variado e complicado, o que dificulta a escolha do método contraceptivo certo para cada mulher.

O objetivo deve ser o cuidado da saúde e preservar a fertilidade. Mas não existe um método ideal para toda a gente.

Desde sempre, as senhoras recorreram a diversos estratagemas para evitar gravidezes indesejadas: no Egito, por exemplo, uma mistura de lentilhas, folhas de acácia e de mel era inserida na vagina; na Grécia era o sílfio – parece que funcionou tão bem que a planta se extinguiu.
A respeito destes métodos, e das crises, das pestes, das guerras e de tantos outros, a Humanidade ultrapassou o limiar dos sete mil milhões de habitantes… De facto, os primeiros anticoncetivos seguros chegaram só no século vinte, mas já no século anterior tinham surgido os movimentos para o controlo da natalidade.

Anticoncetivos – Uma verdadeira revolução

Os anticoncetivos foram um vento de mudança não só pelo lado hedonístico da questão, certamente importante para as mulheres significaram mais liberdade e autodeterminação. A possibilidade de planificar os nascimentos melhorou o equilíbrio económico das famílias, deu às mulheres um novo espaço na economia e na sociedade e, não menos importante, salvou a vida delas: quantas vidas foram ceifadas pelos abortos clandestinos!

Os anticoncetivos merecem, por isso, ser melhor conhecidos, e não só pelos adultos: Mesmo os adolescentes devem receber uma educação sexual adequada, que os proteja de erros. Para além de todas as problemáticas psicológicas e sociais, a gravidez naquela faixa etária apresenta mais riscos de bebés prematuros, com baixo peso ou nados mortos.

Não foi por acaso que, em 2010, as Nações Unidas lançaram o movimento Every Woman Every Child (Cada Mulher Cada Criança), com o fim de melhorar as técnicas, de aumentar, em 2020, a difusão dos anticoncetivos nos 69 países mais pobres do mundo, e de facilitar o seu acesso sem preconceitos aos jovens. Além disso, todos os anos, no dia 26 de setembro celebra-se o Dia Mundial da Contraceção, para sensibilizar a opinião pública e estimular os Governos a difundirem os conhecimentos a ela relativos.

Segurança e praticabilidade

Para além das suas características específicas, cada método deve ser seguro, prático e garantir o regresso à fertilidade depois da suspensão.
A eficácia mede-se com o Índice de Pearl, um parâmetro que se baseia no número de gravidezes indesejadas e que é válido apenas se o uso for perfeitamente correto.

A escolha do anticonceptivo deve ser feita também com base nas necessidades do utilizador final, quase sempre mulher: por questões culturais (explica Lidia La Marca, ginecologista), mas não só. “Interromper a fertilidade masculina é mais complexo, porque a produção de espermatozoides é contínua. Em Bolonha, foram feitos muitos estudos sobre a pílula masculina, mas, por fim, a experiência foi suspensa.”

Por outro lado, é mais fácil agir sobre a fertilidade feminina, porque o período está circunscrito a uma vez por mês. Isto tem duas consequências, como explica a especialista. A primeira é que, sendo os mecanismos de base inalterados, as técnicas para impedir a fertilidade não mudam, por isso não estão a ser estudados novos produtos; a outra, mais complexa, tem contornos psicológicos. “A fertilidade é uma função natural, e interrompê-la provoca um mal-estar mais ou menos escondido.

Os diversos métodos são sempre um peso para o casal. Envolvem repetição, determinação forte.” Tomar a pílula, por exemplo, requer um contínuo repensar da escolha feita, coisa que, como salienta a Dra. La Marca, pode levar a um uso incorreto. Isto é válido para o preservativo, para o anel vaginal ou para o diafragma. “São métodos simples e pouco invasivos, mas aborrecidos, porque, de cada vez, é necessária a decisão.”

Uma oferta diversificada
Métodos mecânicos ou de barreira

Preservativo. É feito em látex ou, para os raros casos de alergia, em material sintético. A fiabilidade é elevada, o uso muito simples e vantajoso até para a prevenção das doenças sexualmente transmissíveis. Acontece, raramente, que se rompa ou que se rasgue durante a relação. A aplicação requer uma interrupção num momento crucial (o preservativo é colocado no pénis ereto).

Diafragma. Esta cúpula de silicone ou de látex, segura por um anel de metal flexível, é colocada na vagina, a cobrir o colo do útero antes da relação, sempre com um creme espermicida, e é retirada passadas algumas horas. Existe em vários modelos, segundo a conformação dos genitais internos, por isso deve ser o ginecologista a aconselhar o modelo indicado. “É um método simples e eficaz, mas, ao contrário dos países anglo-saxões, nos países da Europa do Sul, especialmente na Itália, não é muito usado, porque implica uma manipulação dos genitais.” Com efeito, para inserir o diafragma é preciso ter um bom conhecimento da anatomia pessoal e uma ótima consciência da sua sexualidade pessoal.

DIU. É o chamado dispositivo intrauterino, que tem a forma de um T, feito de um material plástico recoberto por uma fina camada de cobre e que tem, na base, um fio (que se pode sentir ao tato, mas que não atrapalha a relação). É inserido no útero pelo ginecologista e é retirado cada três ou cinco anos. Atua alterando os movimentos dos espermatozoides e das trompas, impedindo a descida normal do óvulo e a fixação do óvulo fecundado. “O risco é uma possível deslocação do aparelho, que acaba no canal cervical. A mulher deve, portanto, controlar a posição do fio e submeter-se regularmente a uma consulta ginecológica”, explica a especialista.

Métodos químicos

Espermicidas. São cremes, óvulos, gel ou espuma, pouco eficazes por si só, a utilizar juntamente com os métodos mecânicos, que aumentam claramente a sua eficácia. São aplicados no momento da relação e, segundo os tipos, são mais ou menos simples de usar. A eficácia máxima é de 60 minutos. Hoje usam-se substâncias naturais, como o ácido láctico, com menos efeitos secundários.

Métodos hormonais
Baseiam-se na inibição da ovulação e são muito seguros. “Para todas as combinações hormonais, excluindo a minipílula, o principal efeito secundário é um raro risco de trombo-embolia arterial e venosa no primeiro ano de ingestão e em presença de fatores predisponentes”, informa a Dra. Lídia La Marca.

Penso. Presente há pouco tempo no mercado dos produtos de saúde, tem cada vez mais consenso, devido à sua alta fiabilidade e à sua praticabilidade. Tem uma superfície de 20cm2, aplica-se no braço, no tronco ou nos glúteos 24 horas depois do início da menstruação. Liberta gradualmente as hormonas geralmente presentes nas pílulas (norelgestromina, progesterona sintética, e etinilestradiol, um estrogénio). É aplicado durante três semanas, mudado cada sete dias e, por fim, suspenso durante uma semana. Todos os dias deve ser verificado que não esteja a descolar-se; se for esse o caso, e se se der conta no prazo de 24 horas, basta reaplicá-lo ou substituí-lo; depois desse lapso de tempo, deve refazer-se tudo do princípio.

Pílula contracetiva. Considerada uma das principais descobertas do século passado, a partir de 1951 (ano em que surgiu) sofreu muitas mudanças. Hoje é de baixa dosagem, apresenta menos efeitos secundários e facilita a drenagem dos líquidos, evitando o excesso de peso. “A redução da libido é o efeito mais referido”, afirma a especialista. “O problema depende do tipo de equilíbrio hormonal pessoal; a pílula modifica-o de maneira que nem a todas as pessoas vai bem.” Há dois tipos principais: a pílula combinada, com hormonas estrogénicas e derivados da progesterona com diferentes dosagens, que deve ser tomada 21 dias, com uma suspensão de sete; da classe da progesterona, ou minipílula, que deve ser tomada todos os dias, adaptada às mães que amamentam ou a quem não pode tomar estrogénios.

Anel vaginal. Flexível e transparente, é inserido na vagina durante três semanas e liberta gradualmente as hormonas. É reinserido passada uma semana de suspensão. Não apresenta o problema de falta de ingestão em caso de vómito ou de diarreia.

DIU hormonal. Liberta gradualmente a progesterona e atua alterando o endométrio (o revestimento interno do útero), para impedir a fixação do óvulo fecundado.
Implante hormonal. É um tubinho subtil que é aplicado sob a pele do braço e que liberta gradualmente uma hormona da classe da progesterona. Garante uma alta proteção e é retirado passados três anos, no máximo, mas não está isento de efeitos secundários.

Métodos naturais

É bom dizer, para começar, que são pouco fiáveis. O mais antigo é o coito interrompido, com um alto risco de gravidez. Implica um forte autocontrolo por parte do homem. Além disso, mesmo antes da ejaculação, podem verificar-se derrames de líquido seminal.

Ogino-Knaus. Talvez o mais famoso, até pela quantidade de filhos nascidos… Baseia-se na abstenção de relações nos dias considerados de risco, mas a variabilidade é demasiado elevada para dar certezas, especialmente se o ciclo for irregular.

Controlo do muco. Apoia-se na avaliação da quantidade e do tipo de muco cervical, que muda por volta dos dias da ovulação. Os erros de avaliação são muitos!

Temperatura basal. Parte do pressuposto de que, depois da ovulação, a progesterona eleva durante três dias a temperatura de 0,5ºC. Por isso, mede-se a temperatura do corpo ao despertar, e, ao quarto dia, o caminho está livre. Mas a temperatura pode variar por tantos motivos… O método requer, portanto, rigor na anotação dos valores da temperatura.

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close