Em que estás tu a pensar..? Distração durante a atividade sexual

Avaliar

E quando durante a atividade sexual deixamos de estar focados no que estamos a fazer e começamos a pensar? Seja porque a nossa necessidade de controlo nos faz assumir o papel de espectador, seja porque o pensamento nos foge para assuntos mais prosaicos como o que fazer para o jantar? E há diferenças entre as mulheres e os homens neste aspeto?

As dificuldades sexuais podem acontecer por diversas razões, desde as doenças e respetivos tratamentos (razões biológicas), mal-estar psicológico, sentimentos de tristeza, culpa, ou outras inibições como a vergonha ou o medo (razões psicológicas), ou problemas na relação, conflitos com o parceiro, não se sentir compreendida, bem-amada, bem cuidada, ou pela familiaridade com que o sexo acontece (razões relacionais), até alguns aspetos que têm que ver com a nossa educação e socialização sexual, ou até com fatores religiosos (razões socio-culturais).

Distração durante a atividade sexual

Mas há ainda outros aspetos que podem perturbar a atividade sexual e impedir o prazer. Por exemplo, quando surgem determinados pensamentos durante o sexo, sem que a pessoa queira, e que acabam por impedir a concentração nos estímulos sexuais. Estes pensamentos são muitas vezes involuntários e sobre os mais variados temas. Podem estar relacionados com o medo de falhar, de não agradar, de não ser suficientemente atrativo(a), de não estar a fazer as coisas certas – e podem revelar alguma ansiedade de desempenho – e assim caracterizar o papel de espectador de que falavam Masters e Johnson.

Ou seja, a pessoa sai do seu papel de participante e passa a assumir um papel de espectador, de observador de si próprio e das suas ações. E esta hipervigilância, este “não largar o controlo”, podem ser altamente perturbadores da excitação e consequentemente, do prazer sexual. O controlo espanta o desejo.

Mas não ficamos por aqui. O conteúdo dos ditos pensamentos involuntários, pode ainda estar relacionado com os mais diversos assuntos, desde o almoço dos filhos no dia seguinte, a lista do supermercado, a máquina de roupa para estender, um problema do escritório, ou a roupa para vestir no dia seguinte. Estes pensamentos invasivos parecem ganhar vida própria e o seu protagonista desconcentra-se da atividade em que está envolvido. Na prática clínica, esta é uma observação recorrente das mulheres. Nos homens, a distração cognitiva tem mais a ver com a observação da sua performance sexual.

Por outro lado, também é sabido que as mulheres são mais multitasking do que os homens, ou seja, elas conseguem fazer melhor várias coisas ao mesmo tempo. Mas, o reverso da medalha, é uma menor capacidade de concentração, de estar focado. Mas será verdade que a distração cognitiva afeta mais as mulheres? E estará relacionada com outras variáveis cognitivas ou emocionais? E qual é a relação entre a distração e as dificuldades sexuais?
Ana Alexandra Carvalheira, sexóloga, docente universitária e investigadora

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close