12 estratégias simples para ser Feliz!

12 estratégias simples para ser Feliz!
Avaliar

Ser feliz é o desejo de toda a gente, mas a verdade é que são poucas as pessoas que realmente sentem que o são e que conseguem dizer com toda a segurança “Eu sou feliz!”.

Há também a tendência para ver a felicidade como uma meta a atingir ou que ela só acontecerá depois de termos cumprido determinadas etapas da nossa vida. Na verdade a felicidade é uma escolha e é bem simples sermos felizes, mas como diz o outro, difícil é ser tão simples.

Também não existe nenhuma fórmula ou receita mágica para sermos felizes, porque cada um de nós é único, e é marcado pelas suas experiências e vivências pessoais, além de que, cada um de nós tem a capacidade de perceber o que lhe faz bem e o que não lhe faz.

No entanto, acho que podemos utilizar algumas estratégias básicas para sermos pessoas mais felizes e realizadas.

Estas são algumas que utilizo na minha vida e acredito que têm surtido efeito, por isso quero partilhá-las convosco!

1- Construir objetivos

Ter um rumo, uma direção a tomar, é algo que traz significado à nossa vida, dá-nos um sentimento de pertença ao ambiente em que escolhemos viver e uma sensação de que somos capazes de nos ultrapassar.

Por outro lado, não ter objectivos, não ter um rumo, faz-nos sentir vazios, desesperados, sem saber o que esperar da vida, faz-nos sentir uns inúteis e com a sensação de que qualquer coisa serve.

Por isso se sente que não sabe bem que objetivos quer realizar na sua vida, ou que os que tem não são suficientes, porque não começar já a pensar e a passar para o papel todos os objetivos que lhe vierem à cabeça? Apenas são necessárias 3 regras: os objetivos devem ser realistas, devemos saber que recursos iremos precisar para os alcançar e não podem depender de mais ninguém além de nós.

Devem ser realistas na medida em que devemos estar conscientes de quais são as nossas limitações e de quais são as nossas potencialidades. A psicologia barata do “acredita e esforça-te que consegues” nem sempre é verdade, há qualidades que aprecio nas outras pessoas mas que eu sei que por mais que tente e me esforce jamais as conseguirei ter, porque simplesmente não tenho esses atributos físicos, psicológicos ou artísticos, mas por outro lado, foco-me naquilo que sei que sou capaz de fazer bem.

Devemos saber que recursos são necessários para alcançar os nossos objetivos, de quanto tempo precisamos e que custos envolvem alcançá-los, só assim os podemos planear e traçar o caminho para os realizar.

Os objetivos não deverão depender de mais ninguém além de nós próprios, nem tão pouco,  depender da sorte ou do Euromilhões.

O sucesso na realização dos nossos objetivos também não depende da idade, do género, da educação, da aparência física ou da religião. Há inúmeros fatores que fazem com que consigamos atingir o sucesso. Quando temos um objetivo devemos focar-nos e sermos consistentes, acreditando sempre que somos merecedores de alcançarmos tudo a que nos propomos.

2- Aprender a apreciar as coisas boas e simples da vida

Todos os dias acontece-nos algo de bom, mas quando estamos demasiado centrados no nosso próprio umbigo e nos nossos problemas nem reparamos nelas.

Tome nota das coisas boas que lhe acontecem no dia a dia e verá que se calhar não são assim tão poucas quanto pensa.

3- A felicidade vem de dentro e não de fora

Às vezes oiço as pessoas dizerem que só quando se casarem ou só quando tiverem uma casa ou um trabalho é que vão ser felizes. Mas o que é que acaba por acontecer? Quando elas finalmente conseguem o que querem permanece tudo igual, o nível de (in)felicidade não se altera.

Mas quando finalmente tomam a decisão de serem felizes nesse preciso momento é aí que a magia acontece.

A felicidade é como os objetivos, não pode depender de um factor externo, não pode depender de uma pessoa ou de bens materiais, ela só pode depender de nós próprios.

4- Adotar hábitos de vida saudáveis

Uma alimentação saudável e equilibrada e a prática de exercício físico regular podem fazer milagres.

É verdade que à primeira vista pode parecer que vamos ter que despender muito dinheiro, mas isso são mitos!

Não precisamos de ir ao ginásio para praticarmos exercício, podemos fazê-lo em casa (no youtube há imensos vídeos de workout para todos os gostos e feitios) ou na rua. “Ah e tal, mas os alimentos saudáveis são mais caros“, é assim, se em vez de comprarmos bolachas cheias de açúcar e calorias e comprarmos um quilo de maçãs o preço deve ser ela por ela. A questão é, quando queremos mudar o nossos hábitos alimentares temos de fazer escolhas. Em vez de gastarmos dinheiro em alimentos processados e que só fazem mal, gastamos o mesmo em alimentos saudáveis.

Ao adotarmos um estilo de vida saudável, aumentamos os nossos níveis de felicidade, ficamos mais confiantes, diminuímos a ansiedade, a depressão e o stress e aumentamos a nossa esperança média de vida. Há estudos que indicam que uma alimentação saudável pode, inclusive, curar doenças crónicas.

5- Quando se preocupar ao menos seja realista

Todos nós temos as nossas obrigações, contas para pagar, planos para realizar, prazos para cumprir, etc. Tudo isto é gerador de alguma tensão e ansiedade o que é normal. Mas também que não caíamos no exagero de nos preocuparmos com coisas que nunca nos aconteceram, doenças que não temos ou coisas que não sabemos se são reais ou não (como por exemplo, acharmos que os outros pensam mal de nós).

Uma coisa é certa, nunca a humanidade viveu tão bem! Temos tecnologia, acesso à saúde (a taxa de mortalidade nunca foi tão baixa), oportunidades de seguir com os nossos estudos até onde quisermos (os nossos avós não tiveram tanta sorte) temos a acesso a montes de informação e vivemos em segurança (nunca a taxa de crimes em Portugal foi tão baixa) .

Claro que se lermos os jornais ou vermos o telejornal a nossa fé de que as coisas podem melhorar vai pelo cano abaixo, por isso a 6ª estratégia é…

6- Veja menos televisão e dedique-se a atividades realmente produtivas

Pode ser ler um livro, descansar, fazer as tarefas domésticas, planear o dia de amanhã, telefonar a um amigo, etc., mas demasiadas horas a ver televisão, desgraças e programas que não nos ensinam nada, não trará felicidade.

7- Seja grato!

A partir do dia em que começar a agradecer pelo que tem, verá que de facto há abundância na sua vida e que as coisas afinal não são assim tão más como parecem ser.

8- Viva de acordo com os seus valores

Ao seguirmos os nossos valores estamos a ser nós próprios, a respeitar o nosso verdadeiro Eu. Para mim o valor mais importante pode ser o amor, mas para outros pode ser a beleza, a igualdade, a paz ou o dinheiro. Não existem valores certos ou errados e cada um é que sabe quais são os valores pelos quais quer seguir ao longo da sua vida.

Mas também uma coisa é certa, quando através dos nossos valores fazemos ações que podem ajudar ou inspirar um grande número de pessoas (e não só a nós próprios), mais cheia e significativa é a nossa vida.

9- Permita que a vida lhe surpreenda

Já reparou quantas oportunidades, momentos felizes, pessoas que conheceu, experiências que viveu, aprendizagens que adquiriu lhe surgiram de momentos inesperados? Hun? Pense nisso.

Um bom pensamento a ter é o de que não temos o controlo sobre o que nos pode vir a acontecer e acreditar que seja lá o que acontecer, será a coisa certa.

10- Mude o que pode mudar e aceite o que não pode mudar

É tão simples quanto isto, se estiver do seu alcance alterar a situação que o aflige, faça-o. Mas se não há solução para o problema o melhor a fazer será desapegar-se, fazer o luto, começar uma nova vida ou simplesmente deixar de se preocupar e seguir em frente!

11- Deixe-se de desculpas e lute pelo que quer

Quer perder peso? Comece já a dieta e não deixe para a próxima segunda-feira. Quer mudar de vida? Este é o momento certo para o fazer. Quer ter mais amigos? Mande o orgulho para o raio que o parta e seja mais amigo. Quer ser amado? Ame-se primeiro. Quer se fazer ouvir? Fale, dê a sua opinião e diga o que sente.

12- Agarre as oportunidades

As oportunidades são infinitas, mas também precisamos de estar atentos (nem sempre são explícitas) e fazer uso delas, afinal é para isso que elas servem!

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close