O corpo é que paga

Avaliar

Normalmente, quando sentimos alguma dor, seja ela qual for, a última coisa em que pensamos é que ela possa ser uma mensagem direta no nosso organismo (tido como um Todo, mente e corpo, corpo e mente, numa permanente interação que hoje é mais do que sabida e comprovada, de facto, existir). Ou se preferirem, um aviso do nosso corpo alertando-nos que em alguma área da nossa vida algo deveria melhorar. 

Da cabeça aos pés, a ligação entre a mente e o corpo tem sido bastante estudada, comprovando-se sistematicamente que cada parte do nosso corpo tem uma linguagem a ser entendida. O nosso campo emocional está na base de mais de 90 por cento das alterações ou acidentes ocorridos no nosso corpo e toda a matéria de que somos feitos (pensamentos e sentimentos, também têm “massa”, sabiam?!) está intimamente ligada à transmissão de sinais bioquímicos e eletromagnéticos cuja informação é feita chegar ao cérebro e que, por sua vez, sob a forma de sinapses e outros circuitos, desencadeia reações através de hormonas, impulsos nervosos, processos químicos do sistema endócrino e outros sinais para músculos, tecidos e glândulas, que estão contidas em cada gota do nosso sangue que circula em cada parte do nosso corpo. E imagine-se! A 385 km por hora, ou seja, muito mais rápido que um carro de Fórmula 1!

Existem situações na vida com as quais vivemos, ou aprendemos a viver. Porém não deixam de ser situações que nos incomodam, que (no fundo, bem lá no “fundo”) não resolvemos. A convivência com tais situações, mais tarde ou mais cedo, vai alterando o estado emocional e fisiológico de uma pessoa e essas alterações vão pouco a pouco refletindo-se no nosso estado psicológico, apresentando sintomas de variada ordem (stress, cansaço, fadiga, depressão, pânico, entre muitas mais).

Uma das formas de manifestação desses desequilíbrios é a somatização (que quer dizer o processo de “passar” para o corpo os desajustes psicológicos). Sim, “in the flesh”, no corpo físico. Sob a forma de dores e outras desordens orgânicas. Percebemos agora como é que o corpo nos fala? Sim? E, em boa verdade, como é que é ele que paga…?

É fundamental aprendermos a conhecer melhor o nosso corpo, tendo a capacidade de o sentir (que é como quem diz, de “nos sentirmos”), integralmente, por dentro e por fora, estando atentos às alterações que ele nos apresenta, pois melhor do que ninguém (sim até mesmo mais do que a nossa “mente”) sabe e diz-nos exatamente onde é que estamos a falhar e no que é que deveríamos mudar.

Por isso, chega de arranjar desculpas ou pretextos para ficar à espera daquilo que somente você poderá fazer por si. Desde praticar alguma atividade ou exercício físico, passando por aliviar a mente e tornar os pensamentos mais ativos e construtivos, coloque em prática as suas decisões. O mundo espera por si. E está cheio de possibilidades. E nós também. Para o devolver ao mundo, melhor do que como aqui entrou. E isso, caros Amigos, é garantido.

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close