Que vontade de não fazer nada!

Preguiça é normal ou preocupante?

Avaliar

Todos nós conhecemos a preguiça, aquela vontade de não fazer nada.

Embora mais a uns do que outros, ela domina-nos frequentemente num abraço que nos deixa sem vontade de fazer rigorosamente nada. E sabe uma coisa? A maior parte das vezes é um prazer importante e saudável.

São 7h30 e o despertador toca. E não é que não se tenha dormido o suficiente, mas estar cama é tão mais confortável que o mau tempo lá fora, não é? E, então, vamos carregando no botão de adiar do telemóvel ou despertador. Ou então, pelo contrário, é fim de dia, já jantámos e sabemos perfeitamente que ainda nos espera à secretária um relatório por terminar, uma reunião por preparar. Mas, em vez disso, vamos direitinhos ao apelo irresistível do sofá, onde nos estendemos de manta nas pernas a ver a série ótima (ou péssima, pouco importa) que está a passar na televisão. Serão estes pecadilhos assim tão graves? Ou estaremos, afinal, a fazer um enorme favor a nós próprios a maior parte das vezes que nos deixamos vencer pela vontade de não fazer nada?

A psicóloga Joana Alves Ferreira, do Canto da Psicologia, não tem dúvidas em afirmar que o que não falta é “preguiça boa”. “Numa sociedade pautada pelo imediatismo, onde prevalece uma lógica de aceleração constante, qualquer abrandamento corre o sério risco de ser olhado pelas lentes reprovadoras de um sistema que espera quantidade, mais do que qualidade”, afirma a psicóloga. Mas o que é certo é que a preguiça, em oposição à produção frenética de resultados, “é um espaço de encontro do indivíduo consigo próprio: é a possibilidade de estar só, de contrabalançar o prazer com os imperativos da realidade e de desenvolver em si um mecanismo que permita regular estes dois motores da vida.”

Mais: pode ser um lugar rico em criatividade e abono da saúde mental. “Quem não experienciou já o prazer de não cumprir ou adiar uma tarefa, fazendo uma outra e descobrindo nesta última um mundo de potencialidades?”, lembra Joana Alves Ferreira.

Mas o que é certo é que não fazer nada é mal visto há milénios na sociedade ocidental. A preguiça é descrita como um dos sete pecados capitais, fortemente criticada na Bíblia e a tradição anglo-saxónica liberal do século XVII assenta precisamente no valorização do trabalho, visto como a forma privilegiada não só de aquisição de propriedade como de edificação do espírito. Será?

Sem querer fazer qualquer apologia a uma espécie de síndrome da preguiça, Joana Alves Ferreira reforça que “seria um paradoxo não reconhecê-lo como importante, como organizador e, mais do que isso: como um espaço de crescimento e de encontro com o próprio, sem o qual ficaríamos rigidificados e aprisionados na era da maquinização do Homem.” No entanto, naturalmente que é no equilíbrio entre o prazer de não fazer nada e o cumprimento do que é esperado de nós que está uma vida e mente saudável.

Se a preguiça já é tanta que o indivíduo se torna disfuncional, não cumprindo as suas responsabilidades, importa perceber o que se passa. A psicóloga acredita que encontrar métodos de organização – como estabelecer objetivos e priorizar tarefas – pode ajudar, “no entanto, não há método mais eficaz e revelador do que conhecer-se a si próprio e perguntar a si mesmo do que quer fugir, o que quer evitar, no momento em que a preguiça ataca.”

Preguiça normal ou preocupante?

De acordo com Joana Alves Pereira, quando a preguiça assume proporções que ameaçam o equilíbrio psíquico da pessoa e a funcionalidade nos diversos aspectos da sua vida, há um conflito que importa ser compreendido! Exemplo: um aluno que adia reiteradamente a realização de trabalhos que irá ter que apresentar à turma, um empresário que se sente impelido a não se levantar nos dias em que tem reuniões decisivas para o seu negócio.

Estas são situações “agudas” que, se repetitivas, nos estão a dar a indicação de que há alguma coisa mais interna, provavelmente mais dolorosa também, com a qual não queremos ter contacto e, através deste sintoma, vamos adiando. É aqui que a fronteira do que é normal se esbate, porque naturalmente compromete o bem-estar do sujeito.

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close