Dicas para ultrapassar a Indecisão

Como ultrapassar a Indecisão!

Atualizado a:

Durante toda a nossa vida é necessário fazer escolhas. Aliás, a vida não é um produto das circunstâncias como muitos crêem, mas sim resultado das decisões que vamos tomando (mesmo quando decidimos ser passivos em relação às circunstâncias).

É verdade que algumas decisões são mais fáceis de tomar do que outras, e quanto mais pressão sentimos para tomar uma “boa decisão”, mais difícil é decidir.

Há também as pessoas que estão constantemente indecisas, independentemente de ser algo simples como escolher a roupa para usar no dia ou algo mais complexo como a escolher a carreira futura.

Nestes casos, a indecisão está relacionada com uma baixa auto-estima e com o medo – de fazer más escolhas, de se arrepender, de não ser perfeito.

Quando se agrava, a indecisão pode atirar-nos para uma espiral de insegurança e perda de liberdade de escolha.

  1. Insegurança porque acreditamos, seja qual for a escolha, será sempre a pior;
  2. Perda de liberdade porque a tendência será a de evitarmos escolher.

Para ultrapassar a indecisão é importante aprendermos a ouvir a nossa intuição e a segui-la sem medo, tendo sempre em conta a opção trará mais consequências positivas.

1- Confia em ti

Muito dificilmente estaremos sempre 100% confiantes, no entanto quando tomamos uma decisão deveremos estar seguros do que estamos a fazer.

Para ganhar confiança nas nossas decisões é importante mudar a forma como vemos as coisas. Devemos avaliar as consequências negativas que poderão advir das nossas ações, mas não devemos limitar os nossos objetivos por causa do medo. Em vez disso, podemos avaliar/escolher as opções que temos, com base nos possíveis resultados positivos.

Desta forma, será mais fácil de seguir novos caminhos sem ficar paralisado pelo medo.

2- Não tomes decisões com base nas expetativas dos outros

A tomada de decisão é muitas vezes afetada pelo medo – de desiludir os outros, do que vão pensar, de fracassar e parecer um autêntico palhaço à vista de todos.

E então qual é o problema?

Quando agradar os outros se torna mais importante do que seguir o que nos faz feliz é como estarmos a viver uma vida que parece não ser a nossa e o ressentimento e a raiva tomam conta de nós.

Quando vivemos a vida conforme aquilo que nos faz feliz e acreditamos dificilmente existirá lugar para o arrependimento.

3- Estabelece prioridades

  • O que é mais importante para ti neste momento?
  • Quais são os valores que conduzem a tua vida?
  • O que é que tem de ser feito agora e o que é que pode esperar?
  • Qual das opções vai mais de encontro com os teus objetivos? Qual é a escolha que te deixa mais próximo de os alcançar?
  • O que está a dificultar a tua decisão?

Para tomar decisões é importante estabelecer prioridades. Para isso, devemos saber a que é que atribuímos mais importância neste momento da nossa vida. É a uma relação estável? É à realização académica? À família? Ao lazer?

É difícil darmos o nosso melhor em tudo. Não é possível trabalhar 12 horas por dia e dar a atenção necessária aos filhos. Então volto a perguntar: o que é mais importante para ti neste momento?

4- Não tem de haver uma boa escolha ou uma má escolha

Ou seja, ambos os caminhos podem resultar e tanto um como outro terão consequências positivas e negativas.

Fazer escolhas implica abdicar de algo, nunca teremos o melhor de tudo, não podemos ganhar sempre, não podemos nunca desiludir ninguém, não podemos nunca fazer más escolhas, mas podemos escolher viver em paz com isso.

Quando estamos constantemente preocupados com a decisão tomada, se foi ou não a decisão “certa” ou em como a vida seria diferente “se” tivessemos tomado a outra decisão, acabamos por não viver, e no fim talvez nenhuma decisão tivesse sido suficientemente acertada.

Confia nas tuas decisões, aceita as consequências e sê feliz.

5- Evitar tomar decisões não resolve nada

Se evitarmos tomar decisões a nossa liberdade de escolha ficará cada vez mais reduzida. É importante sermos nós a tomar as rédeas da nossa vida e aceitarmos as responsabilidades que acarreta decidir.

Nada do que nos acontece é culpa dos outros, ninguém é vítima. Nós escolhemos sempre, nem que seja não fazer nada ou evitar decisões.

6- Fala com alguém de confiança

Não, não é para ninguém decidir por nós. É apenas falar com alguém que nos compreenda, que já tenha passado pelo mesmo e que nos ajude a abrir os olhos para novas perspectivas.

Falar sobre o assunto ajuda a diminuir a ansiedade, a prevenir eventuais fracassos e a considerar novas hipóteses.

7- Deixa de tentar ser perfeito

Dentro dos indecisos temos a categoria dos perfecionistas, que são aqueles que ficam paralisados pelo medo de não conseguirem atingir a perfeição. E a proscrastinação acontece, não fazem nada, não tomam decisões e a ansiedade aumenta.

As más decisões e os fracassos também fazem parte. Ensinam e fazem-nos querer aperfeiçoar as nossas competências e a desenvolver as que ainda não temos. Só assim é que evoluímos e tornamo-nos mais fortes!

Quando as coisas dão para o torto, podemos sempre começar de novo, voltar a tentar, pedir desculpa e podemos sempre melhorar!

você pode gostar também