Alimentos que não são verdadeiros alimentos

Alimentos que não são verdadeiros alimentos
Avaliar

Vivemos numa sociedade de contradições e de conflitos. Em todas as áreas, os choques são constantes, visíveis, mas, no campo da alimentação, essas contradições envolvem valores que põem em perigo a nossa própria vida.

Na verdade, hoje a alimentação enfrenta duas vertentes: por um lado, procura-se a comida rápida, de fácil preparação ou pré-preparada e embalada; por outro lado, surgem cada vez mais carências alimentares e faz-se sentir a necessidade de uma alimentação mais saudável, menos industrializada, menos refinada.

Por toda a parte surgem, como cogumelos numa floresta tropical, locais de venda de alimentos pré-preparados, de pizzas, de sandes, de hambúrgueres, que ficam repletos de utentes apressados que engolem à pressa a sua refeição. Em contrapartida, é raro hoje ver-se uma família que se senta em conjunto, à mesa, para tomar uma refeição preparada em casa, com amor e carinho, e com alimentos de qualidade.

A alimentação dita “de lixo” envolve vários inconvenientes. Se, por um lado, é muito rica em gorduras, em sal, em aditivos e conservantes, em especiarias e em açúcares, todos eles altamente prejudiciais para a saúde, por outro lado, o seu valor nutricional é muito baixo, já que carece de nutrientes como vitaminas, sais minerais e fibras.

Para piorar as coisas, geralmente esses alimentos são acompanhados por bebidas também elas vazias de nutrientes, como refrigerantes, sumos “sintéticos”, cerveja ou vinho, quando a melhor bebida seria a água, tomada fora das refeições, ou, quando muito, sumos naturais de frutas. Isto sem esquecer a “cereja no topo do bolo”: o “imprescindível” cigarro no final da refeição.

São, portanto, alimentos e bebidas fornecedores de calorias vazias, que contribuem para a acumulação de gorduras nos tecidos e nos vasos sanguíneos e para o aumento de peso corporal, sem, realmente, nutrirem o organismo. Na verdade, comemos, mas não nos nutrimos; enchemos o nosso estômago, mas esvaziamos as nossas reservas vitais.

O grande culpado, se é que podemos assim dizer, é o nosso estilo de vida. Passamos a correr pela vida, sem tempo para nada, a fazer, constantemente, uma corrida contrarrelógio para chegarmos a algum lugar, fazermos mais uma coisa, cumprirmos mais um horário, terminarmos mais um trabalho. Já nem tempo temos para relaxar, para descansar e dormir, quanto mais para irmos para a cozinha.

O tempo que deveríamos ter para vivermos momentos de paz e de relacionamento feliz com os nossos queridos simplesmente não existe. Tal como não há tempo para estar com essa coisa de pensar e de preparar refeições e de as comer à mesa, em conjunto.

Hoje, a maioria das pessoas considera uma perda de tempo preparar uma refeição completa, com salada crua, sopa e outro prato. É que isso requer tempo, energia, força de vontade e disponibilidade. Mas nenhuma dessas coisas se encontra à venda no comércio.

O mais fácil, o mais rápido, o que menos perturba a nossa correria é usar comida já feita, já preparada e, sobretudo, que se coma depressa. Até as compras que se fazem hoje nos supermercados refletem esse espírito apressado e pouco sensibilizado para o bem-estar e para a saúde. Compra-se o que agrada ao paladar, ou o que satisfaz o apetite, ou o que enche os olhos, sem ter em conta o que isso representa na fatura total do nosso viver.

No entanto, o preço a pagar por essa “facilidade” é demasiado caro, em termos de saúde, de bem-estar, de equilíbrio emocional, de vida familiar.

Mas o contrassenso é inevitável: perante toda esta problemática da nutrição e do bem-estar, há uma consciencialização cada vez maior de que é preciso mudar e seguir outros caminhos. Só que a mudança não é fácil e vai mexer com aspetos muito arraigados dos nossos hábitos e do nosso estilo de vida.Mas a mudança é possível e só poderá trazer benefícios.

Antes de terminar queremos falar-lhe de um alimento que, para além de ser barato e acessível, é de alto valor nutricional e versátil no seu uso culinário. Esse alimento é o Arroz, veja aqui tudo sobre este alimento.

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close