Aprenda a valorizar a sua marca pessoal

Avaliar

Todos temos uma marca pessoal e se queremos conseguir um emprego, evoluir na carreira ou crescer como pessoa, o melhor é aprender a desenvolvê-la e valorizá-la. Saiba como apostar em si.

E se lhe dissessem que, tal como as empresas, produtos e serviços, as pessoas também têm uma marca? É verdade. Comportamo-nos como elas, ao passarmos uma imagem e ao comunicarmos com quem nos rodeia. Geramos empatias, provocamos reações, marcamos a nossa posição. E, tal como as marcas, tentamos ser únicos e destacar-nos na multidão.

Por outras palavras, todos podemos ser a Coca-Cola ou a Apple das marcas pessoais – Personal Branding – se trabalharmos para isso. Veja-se o caso de algumas figuras bem-sucedidas, como Oprah Winfrey, Richard Branson, Bill Gates, Steve Job, Michael Jordan e Cristiano Ronaldo. O que é que estes nomes têm em comum? Todos eles criaram uma marca pessoal e uma estratégia de posicionamento que os tornam únicos e lhes permite fazer o que gostam, sendo pagos para isso. Quem não gostaria de ser o melhor naquilo que faz e integrar este lote de campeões?

Para nos ajudar a desvendar um pouco do mundo das marcas pessoais, conversámos com Miguel Coelho, especialista na área e CEO da empresa Personal Brands Portugal. Na sua opinião, ter uma marca pessoal é ter uma boa história para contar. Por essa razão, não é de estranhar que defina o seu papel como auxiliar de contador de histórias. “A marca pessoal não é nada mais, nada menos do que uma boa história e as boas histórias cativam-nos e ajudam-nos a inspirar. A marca pessoal serve para inspirar, atrair e encontrar resultados”, defende.

O termo Personal Branding foi mencionado pela primeira vez, em 1997, por Tom Peters num artigo intitulado “The Brand Called you”. No texto o autor defendia que deveríamos cuidar nós próprios da nossa marca pessoal e trabalhá-la num registo semelhante àquele em que são promovidas as marcas e as empresas. E assim nasceu o Personal Branding, um conceito que começou a ser explorado nos últimos anos em Portugal e que nos desafia a sermos o nosso próprio gestor, construindo a nossa marca, reconhecendo-a e potenciando-a, de forma a obter resultados em benefício próprio.

Qual a sua mensagem?

Já alguma vez pensou no que é que as pessoas dizem de si quando sai de uma sala? Qual é a imagem e a mensagem que lhes transmite? É conhecido porquê? A sua marca pessoal é aquilo que as outras pessoas recordam de si, as características, valores e competências que lhe reconhecem. “Uma marca pessoal forte é, acima de tudo, uma promessa de valor. Uma promessa de valor que todos à nossa volta reconhecem, valorizam e identificam na nossa vida pessoal e profissional”, explica Miguel Coelho, deixando claro que se trata de algo que vale a pena construir mas que dá muito trabalho.

O primeiro passo para criar uma marca pessoal passa pela definição da sua identidade e significado na vida.”Quem sou? Quem quero ser? Como sou visto? Como quero ser visto? Quais são as minhas qualidades e pontos fracos? Quais são os meus objetivos? Estas são algumas das questões que temos de responder para definir a nossa marca pessoal”, revela o personal brand strategist.

Só depois de nos conhecermos bem e percebermos as nossas capacidades estaremos prontos para fixar as nossas metas e objetivos.

Sobressaia no meio da multidão

Numa altura em que o mercado de trabalho é cada vez mais exigente e competitivo, diferenciar-se dos outros torna-se essencial. Todos lutamos por deixar uma marca positiva que nos distinga, entre os milhares de pessoas que diariamente concorrem a um lugar, se lançam num negócio próprio ou procuram uma promoção. Tal como nos diz Miguel Coelho, “a capacidade de ser original está associada a um maior valor percebido, pelo que devemos entender cada pessoa como uma marca em potência que pode ser trabalhada, valorizada e renovada consoante o que lhe é exigido pelo mercado”.

É aqui que entra em campo a grande vantagem do Personal Branding. Uma marca pessoal é a oportunidade das pessoas se destacarem de todos os outros de forma diferenciada. Todos temos atributos únicos que mais ninguém tem. Alguns conseguem encontrar e demonstrar os seus pontos fortes, enquanto outros têm medo de os revelar, ou por outro lado, ainda os procuram localizar.

Para o CEO da empresa Personal Brands Portugal, utilizar este instrumento pode ser a diferença entre diluir-se na multidão e destacar-se dela, entre ser mais um e ser um dos melhores: “a marca pessoal é um facilitador. Numa altura de indiferenciação, esta ferramenta ajuda o mercado de trabalho e as pessoas a perceberem o que precisam e a dizer ‘eu quero trabalhar com aquela pessoa’”. Ou seja, a ideia de sermos uma marca é uma forma garantida de ganharmos posicionamento, isto é, criar a nossa promessa de valor, e de tornarmo-nos conhecidos, primando pela diferença.

Provavelmente já se perguntou mais do que uma vez porque é que determinadas pessoas parecem conseguir o que querem sem dificuldade. Aparentemente, não precisam de fazer nada para serem bem-sucedidas, felizes e tudo o que desejam vai ao seu encontro. Ao contrário do que possamos pensar, não se trata única e exclusivamente de sorte.

Por mais que esta seja um fator relevante nesse sucesso, Miguel Coelho desvenda-nos o verdadeiro segredo: “se a pessoa fizer um bom trabalho no posicionamento de um determinado nicho de mercado, no qual as pessoas lhe reconheçam competência e valor, ela vai tornar-se magnética. Eu vou automaticamente ser atraído para essa pessoa porque ela tem algo para me dar”.

Por isso, aceite o nosso repto e desafie-se. Seja criativo, inovador no dia-a-dia e ouse sair da caixa mesmo nas mais pequenas rotinas pessoais e profissionais. O mundo espera que acrescentemos valor ao que já existe, que saibamos transformar problemas em soluções e dificuldades em oportunidades. Se o fizermos, os benefícios surgem com o reconhecimento do valor que se obtém por parte dos outros.

Personal Brand

Seja o seu próprio cartão-de-visita

Mas o que define uma boa marca pessoal? Miguel Coelho responde-nos sem hesitar. “Uma boa marca pessoal tem que ter, essencialmente, três caraterísticas: clareza, consistência e constância”, isto é, bem definida e clara na forma como expressamos os nossos valores, uniforme entre os diferentes contextos (amigos, família, escola, trabalho) e prolongada no tempo.

Para o conseguir, o CEO da Personal Brands Portugal afirma que há que ter em atenção três regras muito simples, que, na verdade, representam a essência da sua própria marca pessoal: ter energia e entusiasmo; comprometer-se com resultados; ser inovador e apostar no design (sobretudo na forma como se relaciona com os outros e no uso das novas tecnologias).

Na hora de construir a marca pessoal, é importante não esquecer que todos os pormenores contam. Para além dos valores e princípios que definimos, a roupa que usamos, o tom de voz, a fluência do discurso, os gestos, o sentido de humor, a presença e visibilidade nas redes sociais, geram sempre um impacto no nosso público. Por essa razão, é fundamental conhecer a audiência a quem nos dirigimos, perceber o que queremos que conheçam de nós e motivar-nos a nós próprios e aos outros.

Outro grande aliado na construção da nossa marca pessoal é o networking. Aumente a sua rede de contactos, ela é a melhor forma de publicidade. Conheça pessoas novas, apresente-se e diga sempre o que faz quando surgir uma oportunidade.

Miguel Coelho revelou-nos a sua marca pessoal e os princípios que a regem. E você, já sabe qual é a sua?

Recomendamos que leia também:

Stress no Desemprego. Como geri-lo?

O que é a Resiliência e ser resiliente

Falta de auto-estima: 5 hábitos que a mantêm (e como acabar com eles)

Lidar com a rejeição em 5 passos

 

Plano para criar a Personal Brand

Segundo Rui Miguel Coelho, a estratégia essencial do desenvolvimento de Personal Branding consiste em três pontos-chave, apelidados de 3E’s. São eles:

Extract: prende-se com a capacidade de extrair o talento, trabalhando individualmente, o que torna a pessoa única, e definindo objetivos concretos (pelo que se quer ser reconhecido; aquilo que torna a marca diferente).

Express: o modo como se expressa e comunica a marca pessoal. Passa pela criação de um plano de marketing e de comunicação, aproveitando as potencialidades do mundo que é a Internet. Uma marca para vencer tem de se afirmar, ser credível, reconhecida e competente, Não basta parecer ou comunicar o que é, tem de sê-lo.

Exude: consiste na expansão da marca, através do networking e das redes sociais, como o Linkedin e o Facebook. Elas funcionam como o seu cartão-de-visita, o mais completo de todos. Por exemplo, quando surge alguém que é apreciado, a primeira coisa que por norma se faz é procurar algo mais sobre essa pessoa, no mundo online. No entanto, há que ter em conta os riscos associados à presença nas redes sociais.

você pode gostar também

Este site utiliza cookies para melhorar a navegação. De acordo com as leis europeias ao navegar neste site concorda com a utilização de cookies. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close